domingo, 6 de dezembro de 2015

Separados pelo vício



Quando o vício vence o amor, quem perde são as pessoas! Perde-se o respeito, a convivência, a alegria de viver, o calor humano e por aí afora. A família é desfeita!
Com Afonso, aconteceu tudo isso e muito mais. Rapaz que cresceu tendo maus exemplos dos pais; começou a beber quando ainda era adolescente. Transformou-se num homem trabalhador, um ótimo mecânico. Casou-se com uma moça mais velha e juntos construíram uma bela casa.
Nadir, além de professora, era uma excelente dona de casa. Uma mulher prendada; tudo o que fazia era bem feito, com muito capricho. Ela cuidava do marido com carinho. Antes de sair para o trabalho, gostava de preparar o café da manhã para tomarem juntos.
Mas, Afonso começava o dia, tomando uma dose de cachaça que costumava deixar ao lado da garrafa de café. Sua esposa não gostava daquela cena, que se repetia todas as manhãs.
As tentativas para arrumarem um filho foram muitas. Nadir pensava, que se tivessem uma criança em casa, Afonso abandonaria a bebida.
Infelizmente, todas as tentativas foram em vão. Ela quis, então, adotar um bebê; porém, Afonso foi contra.
Três anos de casados  e como Nadir estava cansada daquela vida, resolveu sair de casa. Eles não tinham vida social, pois, a preocupação dela era o mau comportamento do marido, relacionado à bebida.
Ela foi morar numa cidade próxima, devido ao trabalho. Dois meses depois, Afonso foi atrás dela e prometeu que pararia de beber se ela voltasse para casa.
Nadir, como toda mulher apaixonada, acreditou nas promessas e deu mais uma chance ao marido. Ele conseguiu cumprir a promessa por um ano. Pelo menos ela pensava que sim, não via mais a garrafa de cachaça ao lado da garrafa de café.
No final daquele ano, quando tudo parecia bem entre eles, nas festas do final de ano, Afonso esqueceu a promessa e voltou a beber. Tomou o maior porre e fez a esposa passar vergonha diante da família.
Na manhã seguinte, Nadir arrumou suas coisas e mais uma vez, deixou o marido. Foi passar as férias na casa da mãe que morava noutro estado. Disse a ele que na volta alugaria uma casa, não ficaria mais ali.
Mais uma vez, seu coração a traiu. No final das férias, Afonso foi buscá-la e ela o perdoou. Assim, entre idas e vindas, viveram por mais alguns anos. Era difícil para ela resistir ao apelo dele.
Para Afonso, manter a promessa de ficar sem a bebida, foi se tornando difícil. Ele começou a beber escondido da esposa, até o dia em que ela o pegou em flagrante. Numa última tentativa, sugeriu que ele fizesse um tratamento para abandonar o vício. Sugeriu que ele se internasse numa clínica para fazer um tratamento.
Enquanto Nadir, tinha esperança de que o amor que sentia pelo marido fosse capaz de curá-lo, fez tudo o que podia. Até o dia, em que percebeu que a dependência dele, era maior que o amor que ele sentia por ela.
Estava cansada de acreditar nas falsas promessas, de dar a ele mais uma chance  e pediu o divórcio. A princípio, Afonso relutou, mas como Nadir saiu de casa e foi morar perto da sua mãe, acabou concordando.
Ela abriu mão da casa; os bens materiais não eram importantes, o que desejava era sossego. Sabia que com seu trabalho, poderia viver bem e com o apoio da família tudo daria certo.
Afonso ficou, completamente, desiludido com o fim do casamento. A bebida passou a fazer parte constante, não apenas dos seus dias, mas, também das suas noites. Foi relaxando no trabalho até que fechou o oficina por falta de clientes. Ninguém confiava mais nos seus serviços.
A casa, antes tão arrumada e organizada foi se deteriorando. A sujeira foi surgindo dentro e fora do ambiente. A família procurou ajudá-lo sem sucesso. Ele passava o tempo com uma garrafa de cachaça na mão.
Quando o dinheiro acabou, Afonso começou a trocar utensílios da casa e peças da oficina pela bebida. A dependência foi aumentando e se ele tinha uma garrafa de cachaça, nada mais importava. Às vezes, comia um prato de comida na casa dos familiares.
Passou a viver como um andarilho, sua mente foi dominada por ilusões, acompanhadas de alucinações. Vozes passaram a ser ouvidas por ele, as vozes de seus falecidos pais.
Sua vida estava completamente comprometida! Nem a família o reconhecia mais. Afonso era um homem perturbado, que sobrevivia, graças a ajuda que recebia de algum parente.
Tornou-se a sombra do homem que foi um dia!
Seria diferente, se no momento que Nadir ofereceu-lhe ajuda, ele tivesse aceitado? 
Se ele optasse pela família e controlasse o vício, talvez, esta história terminasse com um final feliz.


24 comentários:

  1. Quantas famílias foram destruídas por causa de bebidas e drogas ,é uma história muito triste e comovente .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Cleuza, infelizmente, essa é a causa da destruição de muitos lares.

      Excluir
  2. Infelizmente acontece em muitas famílias. É muito triste quando a pessoa chega nesse ponto.
    Lindo a história!
    É o momento de refletir.

    http://raquelamandamakeup.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, muitas famílias são destruídas por causa da bebida.
      Obrigada, Raquel!
      Beijo ❤

      Excluir
  3. Nossa que texto super realista. Da um tapa na cara, infelizmente é uma situação muito comum e muito triste.
    youtube.com/delineandocomaMandy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a verdade nua e crua do que acontece em alguns lares.
      Obrigada pelo comentário!
      Beijos ❤

      Excluir
  4. Realmente o vicio acaba com a família, e essa é a realidade de muitas famílias, é uma situação muito complicada e triste !
    Um ótimo texto para reflexão !
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem nada mais terrível que o vício, seja ele qual for. Destrói a si e a família!
      Obrigada por compartilhar a sua opinião!
      Beijo ❤

      Excluir
  5. Tive um casos na minha família onde perdi 2 tios por causa do vício e foi muito triste. Boa reflexão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente é isso que acontece quando a pessoa se entrega ao vício.
      Obrigada pelo comentário, beijos!

      Excluir
  6. Infelizmente é a realidade de muitas famílias!! Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  7. Muitas vezes Nadir poderia ser a mulher que não diste do marido pois sabe que é mesmo que um modo pequeno ela quem o faz beber menos é não se entregar totalmente a bebida, o casamento é uma escolha é preciso fazer bem está escolha.
    Adorei o texto.
    Beijúh
    Comqb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, mas ela pensou que fez o que pôde e chegou uma hora que não aguentou mais.
      Que bom que gostou, muito obrigada!
      Beijos ❤

      Excluir
  8. Por mais que seja dificil de acreditar nesse tipo de história sabemos que ela é super verdadeira e atual. Ainda não consigo entender como alguém pode trocar a família por qq tipo de vício, mas acontece mais do que podemos imaginar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, infelizmente, existe! E acontece em muitas famílias!
      Obrigada pelo comentário!
      Beijos.

      Excluir
  9. Muitas mulheres são enganadas pelo próprio sentimento. Isso é característica de toda mulher: agir com o coração e não com a razão. Ter filho não é solução para nada, mas muitas mulheres, ainda, acreditam nisso. A situação apresentada nesse conta é a realidade de muitos e muitos lares brasileiros. As mulheres são muito fortes (mais fortes do que imaginam) e no momento em que se conscientizarem disso não sofrerão tanto em situações como a relatada no conto. O jeito é levantar a cabeça, sacudir a poeira e dar a volta por cima. E, toda mulher tem em sua essência capacidade para isso. Vida que segue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, você falou tudo! É isso mesmo, as mulheres são capazes de reverter uma situação, quando necessário. Foi isso que a personagem fez, quando viu que não tinha mais jeito.
      Obrigada por compartilhar a sua opinião!
      Beijos.

      Excluir
  10. Realidade Nua e crua né guria? É triste demais. Arrasou no texto mais um vez. Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, quis mostrar o que o vício é capaz de fazer com uma pessoa.

      Obrigada, beijos!

      Excluir
  11. É muito triste as famílias que passam por estas situações. Fortes seus textos. super beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é muito triste quando uma pessoa é vencida pelo vício.
      Obrigada, beijos!

      Excluir
  12. Esse texto retrata em muito a vida de muitas pessoas. Vi pessoas boas se acabar por causa do vício. Me emocionou!
    www.blogselmaanjos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, muitas pessoas e lares são destruídos por causa de algum tipo de vício.
      Obrigada, beijo!

      Excluir