domingo, 1 de maio de 2016

Vítima do preconceito

Numa clínica de olhos, Artur encontrou sua alma gêmea! Bastou um olhar e meia hora de conversa para ele se apaixonar por Emília.
Que moça era aquela? Tão linda e simpática! Com cabelos longos e claros e um leve sorriso, ela o cativou. Mesmo percebendo que ela não encarava-o enquanto falava, não se incomodou. A voz dela era fascinante.
Durante o pouco tempo que conversaram ele ficou sabendo sobre a história dela. Emília nascera cega, mas levava uma vida normal. Estava habituada a se virar sozinha. Tinha um cão guia que a acompanhava.
Antes de ir embora, Artur marcou um encontro. No sábado seguinte se encontraram na praça e passaram a tarde juntos. Continuaram se encontrando durante dois meses. Artur foi conhecer os pais dela e a pediu em namoro. Ele estava muito apaixonado. Emília também se apaixonara por aquele rapaz tão carinhoso.
Artur era filho único e muito paparicado pelos pais. Trabalhava como contador numa grande empresa. Estava decidido a se casar e quis apresentar a namorada à família. Num final de semana levou Emília para almoçar em casa. Quando chegaram e ele a apresentou como namorada os pais a rejeitaram assim que viram que ela não enxergava.
Foram grosseiros e mal educados durante o almoço e Emília ficou sem graça, quis ir embora. Nunca se sentira tão rejeitada dessa maneira. Artur ficou abismado com a reação dos pais. Não esperava aquele comportamento deles. Nunca havia desconfiado que eles eram preconceituosos.
Levou Emília embora e pediu desculpas pelos pais. Ela achou melhor romperem o namoro, não queria ser motivo de discórdia entre Artur e sua família.
-Não vou deixar de amá-la só porque eles querem. Eu sou adulto e capaz de decidir a minha vida.
-Eles são seus pais e querem para você uma moça normal, não uma deficiente visual.
-É você que eu amo, que quero para minha esposa! Eles vão ter que aceitar a minha decisão.
Artur deixou-a em casa e retornou em seguida, disposto a ter uma conversa séria com os pais. Eles nem sequer deram oportunidade para que o filho abrisse a boca. A mãe falou por ela e pelo marido.
-Eu e seu pai já decidimos que não queremos mais que você traga essa moça aqui em casa. De agora em diante só receberemos a sua futura esposa se for uma garota normal. Como você pensa que uma cega vai cuidar da casa e dos filhos? Ela não consegue nem cuidar dela mesma!
Ouvindo aquelas barbaridades, Artur preferiu ficar quieto. Estava tão decepcionado com os pais que acabou emudecendo. Foi para o quarto e planejou o que faria.
Na segunda-feira, no intervalo do almoço, aproveitou para procurar um apartamento e planejar a sua saída de casa. Tinha idade suficiente para cuidar da sua vida. E assim, um mês depois foi morar sozinho. Pediu Emília em casamento e não convidou os pais para a cerimônia.
Como todo casal, um cuidava muito bem do outro. A sogra do Artur ajudava a filha com o serviço da casa. Emília estava acostumada a sair acompanhada pelo cão guia, quando precisava. Eles levavam uma vida normal.
Artur, com o passar do tempo, descuidara um pouco da saúde e devido à pressão alta, teve glaucoma agudo e perdeu a visão dois anos após o casamento. Quando ele conheceu Emília, na clínica de olhos, o oftalmologista havia alertado-o sobre a possibilidade.
Emília ensinou ao amado a leitura em braille e ele teve que aprender a viver do jeito dela. Para ela que estava acostumada com a escuridão, tudo parecia mais fácil. Para ele, foi difícil, quase entrou em depressão. Emília sempre paciente, ajudou-o a aceitar a nova condição.
Para os pais do Artur, antes tão arrogantes e preconceituosos, foi uma tremenda paulada na cabeça! Chegaram a pensar que foram castigados pelo fato de não aceitar a nora cega. Pediram perdão a Deus e ao filho. Se lamentaram perante a nora pelo que fizeram a ela.
Emília os perdoou, ela não era de guardar rancor, mesmo tendo sido vítima do preconceito deles. Ela sofrera na época, mas depois acabara aceitando a escolha dos sogros. No fundo ela sabia que eles haviam agido como todos os pais, que apenas querem o melhor para os filhos.
O amor que unira Artur e Emília transportara os dois para um mundo colorido e feliz apesar da escuridão! Um mundo repleto de carinho, solidariedade, tolerância e perdão.
Afinal, as melhores coisas da vida só podem ser sentidas pelo coração!

Como você agiria se fosse a mãe ou pai do Artur, quando conhecesse a Emília? 
Você já foi discriminado (a) de alguma maneira? Se foi, como reagiu?

50 comentários:

  1. Adoro seus contos, me faz viajarem, imaginando...parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, estou feliz em saber que gosta das minhas histórias!
      Obrigada, uma abençoada semana!

      Bjos

      Excluir
  2. Se eu fosse a mãe de Artur teria recebido Emília com muito carinho porque odeio preconceito ,parabéns a escritora mais um conto maravilhoso .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Cleuza! Gostei da sua opinião.

      Uma semana abençoada a vc, beijos!

      Excluir
    2. Obrigada Nida, que bom que você gostou!

      Uma ótima e abençoada semana, beijos.

      Excluir
  3. Que texto lindo, amei parabéns !
    Beijos <3

    www.blogsemprebella.com.br

    ResponderExcluir
  4. Muito comovente esse conto, e o pior é saber que realmente há pessoas com esse tipo de atitude preconceituosa. Mas assim como no conto, acredito que todos nós aprendemos com nossos erros. Adorei :) http://www.adoravelcloset.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Eduarda! Sim e como!! Verdade, que nossos erros sirvam como lição.

      Abraços.

      Excluir
  5. O PRECONCEITO É UM FARDO QUE CONFUNDE O PASSADO , AMEAÇA O FUTURO E TORNA O PRESENTE
    INACESSÍVEL. HÁ MAIS PESSOAS PRECONCEITUOSAS NESSE MUNDO DO QUE POSSA IMAGINAR NOSSA VÃ FILOSOFIA. O PRECONCEITO EXISTE ATÉ NUM SIMPLES OLHAR, NA PESSOA QUE ESTÁ AO NOSSO LADO, NUM COMENTÁRIO...22h10min.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super bem colocado Sara! É isso mesmo, infelizmente! Muito triste, mas algumas pessoas chegam a ser cruéis com as outras. Não têm um mínimo de respeito!
      Obrigada pelo comentário, beijos.

      Excluir
  6. Maravilhoso como sempre escreve muito bem
    Bjs,
    https://emagrecendonovoestilodevida.blogspot.com.br/2016/04/sal-perigo.html?showComment=1462331034693

    ResponderExcluir
  7. Oi Cidália,
    Que conto emocionante, você escreve muito bem! Infelizmente o preconceito existe, nunca sofri nenhum tipo, mas meu marido é negro sabe bem como é isso. Acho extremamente triste este tipo de atitude.
    Bjs❤
    Abrir Janela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Line, muito obrigada! Gosto de escrever p passar o tempo. Sim, infelizmente, é algo difícil de acabar um dia. É muito triste mesmo saber que muitas pessoas carregam o preconceito dentro de si! Que Deus as perdoem, não é mesmo?
      Bjs.

      Excluir
  8. Fiquei entretida com o conto desde a primeira frase. Sua escrita é maravilhosa e a forma como a usa para atingir os leitores é incrível!
    Parabéns! Amei o conto! Emocionante e lindo!
    Beijos!
    Escritora por um Acaso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Vitoria! Fico sempre feliz com seus comentários. Gosto de escrever e quando recebo um elogio desses, me sinto recompensada.
      Mais uma vez, obrigada!
      Beijos.

      Excluir
  9. Eu adoro seus contos Cidália,eles me levam a tantos lugares,são tão bons p minha mente!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Elaine, que bom saber que vc gosta! fico muito feliz!!

      Muito obrigada, beijos.

      Excluir
  10. Que conto mais lindo e emocionante! :)
    Vc é uma ótima escritora! Parabéns ♡
    Beijos
    Www.liulustosa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lilian!
      Fico muito feliz sabendo que gostou da minha história.
      Beijos

      Excluir
  11. Muito legal esse conto, bem tocante e emocionante bjo

    ResponderExcluir
  12. Conto maravilhoso! Todos os preconceituosos deveriam ler e refletir sobre o assunto. Muito emocionante! <3

    Beijos,
    www.nunamendes.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, verdade! Tomara que sirva como exemplo aos preconceituosos.

      Beijos.

      Excluir
  13. Adorei, ja até indiquei a uma amiga hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, muito obrigada!
      Uma ótima e abençoada noite!
      Bjos.

      Excluir
  14. voce arrasa nesses contos,os contos são bons,mas o resumos seu é o que deixa tudo melhor!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, fico feliz que vc gosta dos meus contos.
      Uma noite abençoada!
      Bjos.

      Excluir
  15. Um tapa na cara do preconceito? Eu não conhecia o blog, mas seu texto ou conto, como preferir, foi muito bom! Meus parabéns pela escrita, eu fiquei fascinada.
    Fiquei com pena de Emília :(
    harmoni-ze.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, os pais do Artur nem de longe poderiam imaginar que fosse acontecer com o filho.
      Muito obrigada, estou feliz por vc ter vindo conhecer meu blog e que tenha gostado do conto.
      Bjos.

      Excluir
  16. Ha pouco tempo estava conversando sobre esse assunto com meu esposo, acho realmente difícil pais aceitar limitação para os filhos, nós ainda não temos filhos, e acho que esse tipo de pré conceito, deve ser trabalhado desde cedo para não virar um problemão...Bjinhos 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, os pais se preocupam muito com os filhos. É um caso sério! Quanto às limitações, muitos pais chegam a ser intolerantes. Mas, como vc disse, o pré conceito precisa ser trabalhado desde cedo mesmo.
      Obrigada pelo comentário, gostei muito da sua opinião.
      Ótimo final de semana, bjos.

      Excluir
  17. Ai q lindo...meu olhas se encheram de lágrima ...texto muito sensivel...
    Acho que se fosse eu a mãe do garoto , ficaria sim preocupada com as dificuldades , isso é normal do pais , mas acredito que não agiria com preconceito...
    Obrigada por oompartilhar esse lindo texto...
    www.lindaeinteligente.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pelo comentário! Que bom que gostou!
      Muito obrigada por compartilhar sua opinião! Amei!!

      Um ótimo final de semana, bjs!

      Excluir
  18. Nossa emocionante Adorei, so fico triste em ver que o preconceito não é só fictício e sim real, existe muita gente assim por ai
    bj sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vivih, que bom que gostou! Que maravilha seria, se fosse apenas fictício, né? Infelizmente, existe muita gente preconceituosa que não respeita ninguém.
      Muito obrigada, bjs.

      Excluir
  19. Um conto bem conciso e fácil de ler. O destino foi perfeito ao juntar os dois. Quanto aos pais, acho normal que à primeira vista, tenham receio nessa situação!! Nem é preconceito... É coisa de superproteção mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vera, obrigada! Sim, foi mesmo perfeito!! Verdade, os pais sempre esperam e querem ver os filhos felizes. O excesso de proteção fez com que os pais do Artur maltratassem e humilhassem a Emília. Essa atitude levou a moça a sentir-se vítima de preconceito.
      Beijos

      Excluir
  20. Achei esse conto muito lindo e emocionante. Aliás, todos os seus contos prendem minha atenção. Você com certeza tem o dom da escrita.
    Beijos

    www.baudasresenhas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, seu comentário me deixou muito feliz!

      Beijos.

      Excluir
  21. Amei esse conto!
    Por mais que os pais sejam super protetores com seus filhos, isso não lhe dão o direito de serem preconceituosos com o próximo.
    Hoje em dia parece que cada vez mais as pessoas estão se tornando preconceituosas. Essa semana mesmo quando fui ao mercado uma senhora olhou para a minha cara e falou para a netinha dela: que cabelo ridículo. Eu pensei comigo "ridículo é seu preconceito e o que está deixando de exemplo para sua neta".
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Concordo plenamente com você.
      Tem muita gente sem noção e sem respeito pelo próximo.

      Beijos!

      Excluir
  22. Que estória, heim!? É um aprendizado e tb um exercício de se colocar no lugar de cada um dos personagens para ter uma visão de todos os ângulos, cada um com seus motivos. A vida sempre pregando suas peças. Acho que a paralimpíada é uma grande oportunidade de enxergarmos os deficientes com outros olhos, fico encantado com tanta superação.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Pois é, com certeza. Apesar das limitações, os deficientes são grandes exemplos de superação!

      Abraços.

      Excluir
  23. Lindo seu texto, ótimo para fazer as pessoas refletirem, porque ainda existe muito preconceito no mundo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Verdade, tomara que um dia deixe de existir!!


      Beijos.

      Excluir