domingo, 12 de junho de 2016

Pelas estradas da vida


Tive um casamento infeliz, e uma família que perdi o contato, há muito tempo. Sei que a infelicidade foi causada por mim, fui um péssimo marido e péssimo pai. Abandonei-os e saí pelo mundo.
Quis tentar uma nova vida em outras cidades. Perambulei por aí em busca de oportunidades. Acabei me encontrando, atrás do volante de um caminhão. Dirigindo pelas estradas da vida, conheci muita gente. Pessoas de todos os tipos. Pessoas boas e más! O meu teto passou a ser a cabine do caminhão. Detalhe, o caminhão não era meu, pertencia a uma firma na qual consegui o emprego.
Numa dessas viagens, numa certa cidade, conheci uma viúva, uma mulher madura, muito bonita e simpática. Começamos a nos encontrar sempre que eu passava por lá. O relacionamento começou a dar certo e ela me convidou para morar com ela. Os filhos dela não se opuseram. Afinal, ela era independente!
Eu a levei muitas vezes nas minhas viagens, ela se tornou uma companhia muito agradável. Conheceu várias cidades. Minha vida mudou para melhor. Fui bem aceito pelos filhos e netos da minha companheira. Vivemos juntos bons momentos. Fui um homem feliz e amado.
Mas, nem tudo que é bom dura para sempre.  Tive que deixar o trabalho. Problema de saúde, a catarata tomou conta da minha visão e me impediu de continuar a dirigir. Com a ajuda da minha companheira consegui a aposentadoria. E aí, minha vida começou a caminhar para trás, como caranguejo.
Com muito tempo ocioso, o meu passatempo era o jogo. Qualquer tipo, loterias e jogos de cartas. O dinheiro que eu recebia mal dava para manter o vício. A minha companheira, uma mulher compreensiva, aguentava tudo sem reclamar. Cuidava de mim com muito carinho. Devido a diabetes, os problemas de saúde aumentaram, prejudicando ainda mais a visão. Passei por uma cirurgia.
Talvez, revoltado com tudo isso, me afundei mais nos jogos e comecei a criar atrito com os filhos da minha companheira. Voltei a ser aquele marido rude e insensível que fui no primeiro casamento. Troquei a vida estável por uma vida de jogatina.
A mulher maravilhosa que eu tinha ao meu lado, continuou me apoiando, me ajudando, com amor e paciência. Porém, num dia em que amanheci de mau humor, acabei agindo inconscientemente.  Arrumei as minhas coisas e fui embora, sem dar satisfação. Como se eu tivesse morando numa pensão ou pior, nem isso, porque, se eu estivesse numa pensão, teria que acertar as contas.
Agi covardemente, virei às costas, deixei a mulher que foi uma ótima companheira, no verdadeiro sentido da palavra, sem ao menos dizer para onde estava indo. Vim embora para uma cidade distante, e aluguei um quarto para morar.
Durante vinte anos, tive mordomia, não paguei aluguel e fui sempre bem tratado. Morando sozinho, com a idade avançando e os problemas de saúde, a vida não é nada fácil. Mas, acabei me acostumando. Não me restou outra alternativa.
Certo dia, encontrei um conhecido, que coincidentemente, era o avô do namorado da minha ex companheira. Fiquei sabendo, através dele, que ela procurou por mim durante muito tempo. Que ela queria saber como eu estava, se havia encontrado outra pessoa, se estava bem.
Então, criei coragem e telefonei para ela. Conversamos bastante e ela acabou compreendendo a minha atitude. Justifiquei o meu ato e me desculpei. Soube que ela estava bem e sozinha. Assim como eu, não quis arrumar mais ninguém. Queria viver a vida dela, para curtir os filhos e netos.  
Gosto de me sentir livre para fazer o que bem entender. Sem ter que me preocupar com outras pessoas. O jogo ainda faz parte dos meus dias, agora como uma distração para preencher meu tempo. Não me considero um viciado, porque, não jogo mais, a dinheiro.
Continuo  a manter contato com a minha ex,  fui visitá-la, nos tornamos amigos. Fui bem recebido por toda a família dela. Fiquei feliz em saber que não guardaram rancor. Fui perdoado. Graças a Deus!
O que farei quando não conseguir morar sozinho? Quando o peso da idade se fazer notar? Já pensei nisso,  procurarei um abrigo para idosos e terminarei lá os meus dias.
Sei que a decisão de viver assim foi minha. Tive duas famílias e as abandonei. Mereço o que a vida reservou para mim. Espero que meus filhos sejam felizes e que tenham me perdoado. Não sou totalmente infeliz. Ao meu modo encontrei a paz e tenho como companhia as lembranças da época que me aventurei pelas estradas da vida! O que posso querer mais? Fiz a minha escolha!

Você acredita no destino ou acha que somos nós que escolhemos o nosso caminho?

Não deixe de ler as outras histórias e fazer um comentário se quiser. Ficarei feliz com a sua opinião!
 http://contosdacabana.blogspot.com.br/2016/04/um-homem-solitario.html

40 comentários:

  1. Parabéns mais um conto emocionante!

    ResponderExcluir
  2. Eu acredito que somos nós que escolhemos nosso destino ,foi o que fez esse personagem preferiu a solidão .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tinha uma companheira que cuidava bem dele, mas preferiu terminar seus dias sozinho!
      Obrigada pelo comentário, beijos!

      Excluir
  3. Sou Tânia Lupi, não consegui postar entrando na minha conta.

    Linda história! Acredito que nós escolhemos nosso caminho!! É o velho ditado: Quem planta vento, colhe tempestade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Tânia, às vezes a pessoa tem tudo e não se satisfaz. Obrigada por sua opinião.
      Beijos

      Excluir
  4. Lindo texto! Acho que a vida é feita de escolhas e somos responsáveis por nossas decisões sejam elas boas ou ruins.
    Bjs❤
    Abrir Janela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Line! Verdade, temos que pensar bem antes de tomarmos uma decisão, para não nos arrependermos mais tarde.
      Bjs.

      Excluir
  5. Texto lindo arrasou.
    Beijos

    www.blogseprebella.com.br

    ResponderExcluir
  6. Acho que as pessoas vem ao mundo com um destino,e cada um tem o livre arbítrio de escolher o que quer para sua vida, mesmo que isso custe a sua felicidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lene, por compartilhar a sua opinião! Pois é,a pessoa tem que pensar antes de fazer alguma coisa, pq muitas vezes, quando se arrepende não tem mais volta.
      Beijos!

      Excluir
  7. Li uns contos seus e acho óptimo o seu talento, uma artista inventando contos, alguns podiam ser a realidade, pois as escolhas que fazemos nem sempre são as melhores, e isso nos pode fazer sofrer, e sofrer aqueles que nos rodeiam.Tudo de bom.
    Agradeço também as suas palavras.
    António.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou contente com seu elogio, Antonio, muito obrigada!
      Concordo com você. Muitas pessoas fazem uma escolha sem pensar e acabam se dando mal.
      Valeu, abraços!

      Excluir
  8. Mais um texto incrível! Mulher de onde vem tanta criatividade? Esperando um livro seu! hahaha
    Eu acredito que cada um já vem ao mundo com um propósito, mas acredito também que temos o livre arbítrio, podendo mudar nossos caminhos.. E assim ser mais felizes, ou não...
    Um beijo.
    Meu blog ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Larissa pelo carinho! Gosto muito de escrever! Quem sabe um dia, ainda publico um livro?
      Muito obrigada por compartilhar a sua opinião!
      Beijo.

      Excluir
  9. Cidália a família é tudo nunca podemos deixar de ter contato, nós temos caminhos pra escolher,temos ser sábio para escolher o melhor, Cidália um ótimo texto de reflexão pra pensar, bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Lucimar! A família é o nosso bem mais precioso. Algumas pessoas agem sem pensar nas consequências.
      Obrigada, bjs.

      Excluir
  10. Que homem atormentado! Fez duas mulheres infelizes e isso não lhe perdoo. A própria solidão ele buscou e ainda diz que está bem assim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, ele fez a sua escolha! Preferiu viver na solidão. Quem sabe seja um tipo de punição por ter feito as duas sofrerem?
      Obrigada, Vera! Beijos💝

      Excluir
  11. História com final feliz
    Omundode-marina. Blogspot.com.br marina scholze blog

    ResponderExcluir
  12. Nossa, amei o texto. Parabéns, você escreve muito bem.
    Seguindo o blog, te convido a conhecer o meu www.maisfeminice.com.br

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, obrigada pelo carinho!

      OK, valeu! Beijos.

      Excluir
  13. nossa parabens pelo texto,,vc escreve muito bem,bjs flor

    ResponderExcluir
  14. Achei um texto super legal a história, pois me fez uma boa reflexao.
    beijos!
    www.garotadelicada.com.br

    ResponderExcluir
  15. Imaculada braz A escolha é nossa, se vamos acertar ou errar não sabemos infelizmente.História pra muita reflexão bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, temos que tentar e torcer para que seja a escolha certa. Obrigada, Imaculada!
      Beijo❤

      Excluir
  16. Como os demais, adorei este texto também, Cidália. Olha, eu já pensei muito sobre a questão do destino e da escolha. Já acreditei muito que poderíamos ter um destino, mas hoje tenho um pensamento um pouco diferente. Eu acredito que os nossos destinos são determinado por nossas escolhas. Penso que diariamente somos levados a fazer escolhas e de acordo com elas termos o resultado. São como porta com destinos diferentes e a cada nova escolha que fazemos caminhamos para novos destinos. Ou seja, acredito mais que nossa vida é determinada por nossas escolhas, que estão sempre em processo de mudança. Enfim, concordo com o personagem, ele escolheu o destino dele. Volto a frisar que adorei o texto.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei muito bom o seu pensamento, Leandro. Gostei da frase: são como porta com destinos diferentes. Assim como você, pensei muitas vezes que já nascemos com um destino traçado, que nada acontece por acaso. Mas, vejo que na maioria das vezes, somos nós que fazemos a nossa escolha.
      O meu personagem teve tudo e não estava satisfeito, resolveu escolher um outro caminho.
      Obrigada pelo incentivo!
      Abraços.

      Excluir