domingo, 2 de abril de 2017

Liberdade





Duas amigas que se comprometeram a visitar uma vez por mês, àquela que foi companheira de trabalho durante muitos anos, saem à rua protegidas pelas sombrinhas. O calor é intenso e o sol queima a pele. O protetor solar derrete no rosto por causa do suor.

Ao chegarem a encontram deitada no sofá assistindo um programa na TV. A porta estava entreaberta e elas entram fazendo brotar um sorriso naquele rosto cansado. Cansado? Sim, cansado da monotonia que se tornou a sua vida. E num de seus desabafos ela diz, olhando para as amigas.

- Eu só queria um pouco de liberdade. O meu direito de ir e vir sem dar satisfação a ninguém. O direito de escolher e comprar uma roupa nova, pintar meu cabelo, fazer as unhas e servir um café para vocês.

Então, as duas amigas que já tinham colocado o refrigerante e o bolo que levaram na geladeira, disseram a ela que não se preocupasse.

“Ela” comentou que no dia anterior, uma das filhas chamara a sua atenção, dizendo que ela precisava reagir, levantar do sofá, resgatar a sua vaidade e sair para visitar as amigas, caminhar, fazer alguma coisa.

Qual o dia da semana? Sua mente pregava-lhe algumas peças. Estava perdida. Às vezes, não lembrava se tinha almoçado. Pequenos esquecimentos como acontecem com todo mundo, independente da idade.

Contou que faz suas orações diariamente em casa já que não vai à igreja. Sabe de cor alguns Salmos.

Suas amigas perguntaram sobre a máquina de costura que ela sabia usar tão bem e no passado havia sido muito útil. Poderia ser um ótimo passatempo, além de ser lucrativo. Ela poderia fazer barras de calças ou confeccionar algumas roupas.

Ah, a velha máquina estava abandonada num canto qualquer da casa, desde o dia em que "ela" se formou e começou a trabalhar. Faltava uma peça, quem sabe tivesse conserto?

- Você leu o livro que sua vizinha te emprestou? – perguntou uma delas.
- Li e posso contar a história se vocês quiserem.

Outros assuntos surgiram e, de repente, "ela" disse que preferia estar morta, assim não estaria sofrendo.

- Não diga isso nem de brincadeira, você está muito bem, só precisa seguir os conselhos da sua filha. – disse a outra amiga.

Conversa vai, conversa vem, enquanto sentavam-se à mesa da cozinha, as amigas encheram-na de esperança.

"Ela" só precisa acreditar que ainda é capaz de tomar suas próprias decisões, de recuperar a sua dignidade e a sua auto estima. Precisa fazer alguma coisa que gosta para ocupar o tempo e se sentir útil.

Dentro dela ainda resta muito da pessoa que foi, um dia, antes de ouvir a palavra que passou a assombrá-la. Uma palavra que a assustou e a fez refém da solidão. Uma palavra que define a doença que ela afirma não ter mais. Alzheimer!


PS: A mente nos prega peça, muitas vezes, não importa a idade. É comum dizermos ou ouvirmos a frase, "esqueci de fazer tal coisa" ou trocarmos uma palavra ou o nome de alguém.
Mas, quando esses esquecimentos ou trocas passam a ser preocupantes? 

Se você gostou do texto deixe um comentário, pois sua visita é gratificante para mim. 

Muito obrigada!!

Desejo a você uma excelente semana!

Abraços,
Cidália.








52 comentários:

  1. Ótima reflexão!
    Eu esqueço de TUDO e fico um pouco preocupada porque minha mãe tem alzheimer :/ é tão difícil :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cris!

      Muito obrigada pelo comentário!!
      Beijo,
      Cidália.

      Excluir
  2. Um ótimo texto para refletir. Realmente deve ser muito tenso, para por essa situação.
    Beijos

    www.baudasresenhas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário, Luciana!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  3. Oi
    Gostei do texto.
    Minha mãe já é de idade e muitas vezes esquece o que estava falando ou repete várias vezes.
    Mas faz parte, temos que ter paciência e dar muito amor ❤
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Joana!
      Sim, é isso mesmo! Muita paciência e muito amor!!
      Muito obrigada, beijos.
      Cidália.

      Excluir
  4. Oi, tudo bem?
    Essa dentre outras doenças é muito triste, gostei do texto e da forma que retrata a doença, as pessoas precisam ler histórias assim para talvez entender o que é a doença.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kassia, tudo bem!
      Verdade, é uma doença terrível! Muito obrigada pelo comentário!!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  5. Ai que texto ótimo
    adorei é bom para refletir
    adorei bjs

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do texto, uma otimo reflexão. Adorei !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Analu!

      Beijo,
      Cidália.

      Excluir
  7. Existem muitas razões para estar esquecida(o), na mulher uma delas pode ser a menopausa, mas nada é assim tão terrível ou irreversível, ouvi numa palestra certa vez, o palestrante já de idade avançada que para se ter a memória intacta é preciso exercitar o cérebro, lendo, realizando coisas, enfim, fazendo-o trabalhar ... Ao menos a memória dele parecia ótima ...
    O que não é aceitável se entregar, temos de lutar sempre, e mostrar do que somos capaz! É um texto ótimo para reflexão!
    Bjs ❤
    Minda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Minda!
      Adorei o seu comentário e as informações!
      É isso mesmo, temos que lutar sempre, não podemos nos entregar!!
      Muito obrigada, beijos.
      Cidália.

      Excluir
  8. Cidália quando esses esquecimentos começa acontecer, já é hora de se preocupar, Cidália uma reflexão super importante, abraços.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lucimar, verdade!
      Muito obrigada pelo comentário!!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  9. Oi Ci, tudo bem?!
    Que saudade dos seus textos!! E que reflexão linda! ♡
    Sinto se verdade esse texto pois há 3 anos perdi minha vó pra essa doença! E é tão triste! Uma doença tão solitária! Tão cruel! :(

    Sua reflexão é muito importante. Pois as vezes achamos que alguns "esquecimentos" são normais e não são. Para que essas coisas não aconteçam, precisamos muito cuidar da nossa saúde mental! Exercitar nossa mente e nosso espírito.

    Amei o seu texto! ♡
    Beijos Carinhosos,
    Lilica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lilica, tudo bem!!
      Nem fale, é uma doença muito triste para a pessoa e para a família.
      Muito obrigada pelo comentário! Sim, precisamos cuidar da nossa saúde mental!!

      Obrigada pelo carinho!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  10. Poxa vida! Você escreve muito bem. Gostei muito do texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário e elogios!
      Beijo,
      Cidália.

      Excluir
  11. Adorei o texto, temos que ficar sempre alertas com nossos idosos para tratá-los adequadamente, e não simplesmente achar que é a idade. Ótimo alerta! Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Cíntia!
      Muito obrigada pelo comentário!!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  12. Sim realmente temos que cuidar nos nossos idosos essas coisas são tao Seila como falar,temos cuidar e sempre ajudar a relembrar
    Muita gente acha que e normal esquecer algo aqui e ali mas sempre temos que ficar atentos ao sintomas e tals
    Beijos
    Parabéns pelo texto muito lindo..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é necessário ficar alerta aos sinais e cuidar com carinho e amor da pessoa.
      Muito obrigada pelo comentário e elogio!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  13. Alzheimer é uma doença muito triste, muito solitária. O avô de uma amiga teve e era muito triste.
    Fica o alerta em mais um texto incrível seu.

    Beijinhos,
    Aline Magalhães
    Alineland

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline!
      Sim, conforme a doença vai se agravando mais triste vai se tornando. A mente é uma caixa de surpresas!
      Muito obrigada pelo carinho!!
      Beijinhos,
      Cidália.

      Excluir
  14. Adorei o texto, otima reflexao bjo

    ResponderExcluir
  15. Fico preocupada comigo mesma pois as vezes me esqueço ,exemplo abro a geladeira e fico pensando o que vim pegar só um tempo depois é que me lembro , gostei muito do texto Cidalia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que esse tipo de esquecimento é normal, mas é sempre bom ficarmos atentos!!
      Obrigada pelo carinho, Cleuza!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  16. Que Criatividade, você escreve muito bem. Parabéns ❤

    ResponderExcluir
  17. Oi Cih, que saudade de passar aqui no teu cantinho <3
    Adorei o texto e a forma como suas palavras nos levam a refletir sobre o quão é terrível essa doença, nos serve de alerta mesmo pra identificar o que é e o que não é normal em relação aos esquecimentos. Você sempre me surpreende.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Re!
      Temos que ficar atentos aos sinais que a mente dá e consultar um médico para tirar as dúvidas, se necessário.
      Muito obrigada pelo carinho!!

      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  18. Amei o seu texto, como você disse quem não esquece alguma coisa algum dia?
    Acho que as vezes precisamos de apoio de alguém que nos coloque para cima, que nos faça acreditar que ainda somos capazes, independente de termos alguma doença.
    E não é só refletir sobre a doença, mas sobre como nos sentimos prisioneiros com falta de liberdade.
    Amor, carinho e dedicação ainda é um ótimo remédio!
    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fernanda!
      Nem fale, o apoio é fundamental para levantar a auto estima de uma pessoa. E como você disse não existe remédio melhor que o amor, o carinho e a dedicação.
      Muito obrigada pelo comentário!! Gostei bastante da sua opinião!
      Beijinhos,
      Cidália.

      Excluir
  19. Um ótimo texto que nos faz refletir sobre uma doença tão horrível, podemos chamar essa doença de roubadora de memórias o que é muito triste porque algumas vezes ás únicas coisas que nos resta são as lembranças e vêm essa doença e tira a única coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Duda! É uma doença triste e terrível tanto para a pessoa como para a família.
      Muito obrigada pelo comentário e opinião!
      Beijo,
      Cidália.

      Excluir
  20. Alzheimer é mesmo uma doença muito triste. Parabéns por se dedicar a literatura!!! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol!
      Muito obrigada pelo comentário!!
      Abraços,
      Cidália.

      Excluir
  21. Oi, Cidália. Anos atrás suspeitei que minha mães estava começando ter Alzheimer pedi a ela que voltasse aos estudos e assim ela o fez e sua mente modificou-se completamente, ler este texto me fez relamebrar desta momento difícil que já superamos. Belíssima reflexão que grande contribuição. Bjs
    www.makeupcominteligencia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sandra!
      Que maravilha saber que a volta aos estudos fez bem para sua mãe. Graças a Deus!!
      Muito obrigada pelo depoimento!
      Beijos,
      Cidália.

      Excluir
  22. Oi, Cidália. Tudo bem?
    Nossa, eu simplesmente adorei o seu texto e a reflexão que ele nos proporciona. Fico muito feliz de ter tido a oportunidade de ler este texto, fazia já um tempinho que não parava para pensar nessas coisas e agora fiquei aqui refletindo e possivelmente não vou esquecer desse texto incrível. Parabéns, eu amei.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leandro, tudo bem!
      Que bom que o texto o fez refletir!! A mente, muitas vezes, nos prega algumas peças.
      Muito obrigada pelo carinho!
      Abraços,
      Cidália.

      Excluir
  23. Oi Cidália. Gostei muito do texto e da reflexão que ele me proporcionou. Temos que ter paciência com as pessoas nessa e em outras situações. As doenças que afetam a mente, na minha opinião, são as mais cruéis, porque ninguém vê, mas doem e causam muito sofrimento ao doente e à família.

    Belo texto. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amanda!
      Muito obrigada pelo comentário!! Nem fale, o sofrimento é grande para os envolvidos.
      Valeu!! Beijos!

      Excluir
  24. Cidália, que reflexão profunda. Tenho uma tia que tem Alzheimer e é realmente uma situação triste. Ela tomava conta da minha avó que já tem 90 anos, mas agora minha avó é mais lúcida do que essa minha tia por causa do avanço da doença.

    É muito triste ver uma pessoa que amamos nessa situação e o pior é que não podemos fazer quase nada. Pelo menos podemos ser pacientes e compreensíveis, pois essas pessoas não fazem isso por mal. Elas estão doentes, creio que se formos pacientes, amorosos e compreensíveis, já estaremos ajudando muito.


    Parabéns pelo texto maravilhoso, sucesso a você e ao blog!!!

    Com carinho,
    Frank S. C. Writer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Frank, que situação triste! Ainda bem que a sua avó, apesar da idade, está lúcida e pode cuidar da filha.
      Com certeza o amor, a paciência e a compreensão são fundamentais para o tratamento da pessoa.

      Muito obrigada!! Desejo sucesso a você também!
      Abraço,
      Cidália.

      Excluir
  25. Olá
    Seu texto me lembrou minha vózinha que anda tão esquecida.
    Achei seu texto tão sensível, adorei parabéns
    Beijuh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Renata!
      Muito obrigada pelo comentário!!
      Um carinhoso abraço na sua vozinha.

      Beijos!

      Excluir
  26. Que triste! :( Fica aí uma grande reflexão... Alzheimer é uma das doenças mais tristes que existe... Precisamos ficar atentos. A vó do meu namorado sofre desse mal, é angustiante ver ela se esquecendo de cada detalhe da vida, deixando de ser quem ela é, perdendo a sua essência... Uma mulher tão forte, batalhadora, super inteligente, foi professora a vida inteira, cheia de vida e liberdade.. Agora reduzida a uma senhora que não consegue mais sair sozinha na rua, porque se esquece até de onde mora :(
    Parabéns pelo texto! Te desejo muito sucesso!

    www.ocionodiva.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carla!
      Sim, é uma doença muito triste!!
      Muito obrigada pelo depoimento!

      Beijos.

      Excluir