terça-feira, 20 de março de 2018

Arrependimento V



Chegando na delegacia encontrei meus “amigos”. A testemunha que havia anotado a placa do carro contou que viu uns cinco rapazes entrando num automóvel. Quando ele viu o homem ensanguentado e sem vida no chão, chamou a polícia. Foi fácil chegarem até mim. Um dos meus companheiros me entregou. 

Naquele momento percebi que eu não tinha mais saída. Mesmo que continuasse com a boca fechada, o fato de estar fugindo agravava a situação.

Os olhares se voltaram na minha direção. Dedos me apontavam. Me tornei o centro das atenções. Eu, que sabia esconder tão bem meus atos. Eu, que mentia com naturalidade. Eu, que omitia a verdade quando era conveniente. 

Abaixei a cabeça e segui os policiais. Como seria dali em diante para mim? Nuvens escuras pairavam sobre meu futuro. Meus dias seriam nublados. Algum dia o sol seria contemplado novamente por mim?

Mais uma vez lá estávamos eu e meus “amigos” numa delegacia. Só que dessa vez não era só por causa de um roubo e sim por um assalto seguido de assassinato. A queixa não poderia ser retirada. Minha família já tinha sido notificada. 

Quem apareceu foi a minha irmã. Não consegui encará-la.

- O Zequinha ligou para um advogado amigo dele, logo ele estará aqui.

A voz ficou enroscada na minha garganta. Na verdade, nem sabia o que falar para a Isabel.

Com o canto dos olhos vi que meus “amigos” estavam sozinhos. Esperavam por alguém da família.

Eu pouco sabia sobre a família de cada um. Quando estávamos juntos os assuntos eram outros. Sei que dos quatro, apenas um tinha pai, o dono do Fusca que estava conosco durante o crime.

Pensei em cada membro das nossas famílias. De repente comecei a me preocupar com cada um deles. Meu pai que já não era mais o mesmo homem depois do infarto. Minha mãe que sempre me defendia, meus irmãos que um dia sentiram orgulho de mim e meus sobrinhos que teriam um tio assassino. Como seria dali em diante para eles?

Por que essas preocupações não apareceram antes que eu cometesse aquele ato insano?

Agi por minha conta e risco. Teria que arcar com as consequências, assim como meus “amigos”. 

Todos éramos maiores de idade. Teríamos que responder pelas nossas ações. Nossas famílias teriam que suportar o vexame, encarar a realidade. 

- Diogo, não sei se o papai vai suportar esse sofrimento. A mamãe é mais forte do que ele, apesar de andar deprimida desde a época do roubo do restaurante do titio. - Parece que a Isabel leu meus pensamentos.

 Enquanto eu ouvia minha irmã, as lágrimas brotaram nos meus olhos. Tentei disfarçá-las.

- Posso sentir que você está arrependido do que fez, meu irmão, vou fazer o que puder para ajudá-lo.

 Estava admirado com a atitude da Isabel. Mesmo eu tendo feito o que fiz, ela não me virou as costas.

 Nem ela e nem o meu irmão. Ambos estavam me ajudando naquele momento, quando poderiam ter me abandonado à própria sorte.

- Sabe, Diogo, talvez eu e o Zequinha tenhamos uma parcela de culpa nisso tudo. Deixamos que a mamãe passasse a mão na sua cabeça todas as vezes que você aprontou.

Naquele momento eu nem sabia o que dizer a ela. A vergonha de repente se apossou de mim. Ali, diante da minha irmã mais velha eu me sentia um moleque sem juízo. Merecia aquele sermão.

Esperava que meu irmão não aparecesse. Como iria olhar nos seus olhos?

O advogado chegou sozinho, ainda bem, e foi cuidar do caso. A partir daquele momento eu e meus “amigos” seríamos transferidos para uma penitenciária no município vizinho.

Isabel se despediu de mim com um longo abraço. Não havia palavras para serem trocadas. Nem um até breve. Ela segurou o choro e eu também. Nenhuma lágrima me livraria da culpa.

Tempos depois fiquei sabendo, pelo advogado, que a família do homem assassinado por mim e pelos meus “amigos” clamava por justiça. Era um direito da família. 

Aquele pobre homem teve um grande azar ao atravessar o nosso caminho naquela noite fatídica. Tudo poderia ser diferente se ele não tivesse cruzado conosco. 

Alguns dos meus vizinhos mais próximos foram chamados para falarem o que sabiam sobre mim. 

Até a Edileusa, minha ex namorada teve que comparecer à audiência. O olhar que ela me deu cravou uma espada no meu coração. Era um olhar de pena. Ela respondeu todas as perguntas como se falasse de um estranho. 

Ao sair da sala ela não me olhou mais. Eu fazia parte do seu passado, uma fase que ela já tinha esquecido. Eu era uma página virada. Ainda bem que sua vida não estava mais entrelaçada à minha.

Aquele foi o primeiro pior dia de muitos que viriam pela frente. Um dia de muita tristeza, quando cada uma das pessoas teve que me apontar entre os “amigos”, estávamos algemados um ao outro. Juro que vi lágrimas brotadas em alguns olhos. Olhos de pessoas que me conheciam desde pequeno. Pessoas que não imaginavam que eu estava metido naquela "vida".

A falta da droga estava afetando a minha mente. Eu estava muito emotivo. O que eu estava passando na prisão me fazia sentir, cada vez mais, um ser desprezível.

Com quem eu podia reclamar? Afinal, estava pagando pelo erro que cometi. De filho amado e mimado eu passara a um vil assassino, odiado e maltratado. Percebi em cada olhar dirigido a mim e aos companheiros um misto de pena, desprezo e decepção.

Eu não podia me comunicar com aquelas pessoas. Gostaria de poder falar a elas que eu estava pagando pelo meu crime. Que deixei para trás uma vida confortável, uma família que me amava, para viver no inferno. 

Eu não tinha motivo para ser um adolescente revoltado. Tarde demais, percebi que os cuidados que a minha mãe tinha comigo eram os mesmos que todas as mães têm com seus filhos.

Se eu tivesse compreendido que meu pai me amava à sua maneira, quem sabe não teria cometido tantas tolices.

As lembranças da minha casa, do meu quarto, da comida feita com amor pela mamãe, do almoço em família aos domingos e até mesmo dos cuidados excessivos da minha mãe, corroíam a minha alma. 

Dia e noite eu pensava nos meus pais e nos meus irmãos. Como eles estavam? Teriam superado a vergonha, a decepção? A saudade habitava meu coração e aumentava a cada dor infringida ao meu corpo. 

Ah, se eu pudesse voltar no tempo para poder sentir o abraço carinhoso da mamãe e o aconchego do meu lar!

O dia chegou ao fim e tivemos que voltar para a penitenciária. Cada um de nós foi para a sua cela.  Trocamos um adeus sem palavras, somente com uma troca de olhares. Iríamos aguardar o julgamento.

No dia em que usando um capuz sobre a cabeça assaltamos e matamos um pai de família acabamos, também, com a nossa vida.

Continua....


Sua visita me deixa muito feliz, obrigada!

Abraços,

Cidália.





76 comentários:

  1. É quando não se tem mais que sentimos falta. Agora que ele já não tem mais o aconchego do lar é que dá valor à tudo que tinha. Está pagando por seus atos insanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Patrícia, pelo comentário!!

      Beijos.

      Excluir
  2. É quando chega o arrependimento ai é tarde demais agora Diogo e seus amigos vão pagar por tudo , eu tenho pena dos familiares inclusive a família do motorista que foi morto a paulada que Deus tenha piedade de todos Diogo vai ter muito tempo para pensar no que fez

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Cleuza, pelo comentário!!

      Beijos.

      Excluir
  3. Muito impactante a história Cidália. O que me faz refletir é que só na cadeia é que começou a pensar na familia, a ponderar muitas coisas né? Uma pena que isso nao estivesse sido refletido antes, pois com certeza o impediria de fazer muita coisa errada.Já quero saber o que vai acontecer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Vany, pelo comentário!! Pois é, nem fale!

      Beijos.

      Excluir
  4. Oi Cidália.

    A história está com o tema bem forte, isso desperta muita atenção. Principalmente quando sabemos que muitos jovens vivem nessa situação, escondendo tão bem seus atos. Faz refletir muito quando leio os capítulos, você está de parabéns.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kênia,
      Muito obrigada pelo comentário carinhoso!

      Beijos.

      Excluir
  5. Olá, como vai? Sua história está bem interessante, forte, que nos prende para saber o que irá acontecer a seguir. Ela nos faz refletir sobre nossa família, o que acontece em nossas casas e a olhar com mais atenção para nossos filhos, o que fazem. Parabéns pela história. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Beatriz, tudo bem!! Muito obrigada pelo comentário motivador!!

      Beijos.

      Excluir
  6. Uma história triste muitas pessoas infelizmente só se lembra da família quando estão em uma situação ruim, aí vem o arrependimento, muitas pessoas passam por isso, e o arrependimento faz a a pessoa refletir sobre a situação, como sempre um capítulo fascinante, bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Lucimar, parece que o arrependimento chegou tarde para o Diogo. Muito obrigada pelo comentário!

      Beijos.

      Excluir
  7. É mesmo uma história triste, porém condizente com a realidade que muitos vivem, principalmente jovens que se entregam ao mundo da criminalidade e depois se arrependem amargamente, ao passo que deveriam ter, desde o início, previsto a decepção.
    Mal posso esperar pelo desenrolar!
    Abraços 😊

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, que bom que você está gostando da história, Amilton, mesmo sendo uma história triste! Obrigada pelo comentário!!
      Abraços.

      Excluir
  8. Ual, Cidália! Uma história e tanto. Muito bem escrita e costurada, sem contar na mensagem que passa. Me manteve presa a cada linha. Você escreve muito bem, parabéns! Comecei a seguir o blog e vou ficar de olho para não perder a continuação.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mariana, você não imagina como seu comentário me alegrou!! Muito obrigada pelo incentivo!

      Beijos.

      Excluir
  9. Quero a continuação do que está por vir, estou bem curiosa. É muito triste perceber como podemos seguir caminhos e ter escolhas tão ruins que afetam profundamente não só as nossas vidas, mas a de quem amamos. Estou gostando muito de Arrependimento!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário me deixou muito feliz, Daiana! Obrigada pelas palavras motivadoras!!

      Beijos.

      Excluir
  10. Essa historia está cada dia melhor, não tenho perdido nenhum capitulo.
    Senti mais pena da família do que do Diogo, já quero saber o final da historia.
    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marisa, pelo apoio e carinho! Seu comentário incentivador me deixa feliz!!

      Beijinhos.

      Excluir
  11. Olá adorei conhecer um pouco da história, confesso que fiquei curiosa com a continuação, se tem uma coisa que precisamos aprender é sobre a questão de se arrepender de nossos atos, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da história, muito obrigada pelo comentário!! Verdade!

      Beijos.

      Excluir
  12. O arrependimento em si é muito ruim. porque é o sentimento resultado de algo de errado que fizemos (ou não fizemos) e que não se pode mudar, não podemos voltar atrás, e isso corroi a alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Mary, o ideal seria a pessoa não ter do que se arrepender. Obrigada pelo comentário!

      Beijos.

      Excluir
  13. GEnte, que triste! Seria tão bom se esse texto fosse lido por muitas pessoas e as ajudassem a repensar suas atitudes que podem acabar tão mal assim!
    Ações que não podem ser desfeitas, vidas perdidas que não podem mais ser encontrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Sara, pelo comentário, amei a sua opinião!!

      Beijos.

      Excluir
  14. olá , tudo bem ? Muitas famílias vivem os dois lado dessa história e o arrependimento de um não cura a ferida do outro . Ótima reflexão podemos escolher o nosso caminho antes do ato que nos leva ao arrependimento. Ansiosa por mais um capitulo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Márcia, tudo bem! Pois é, concordo com você. Muito obrigada pelo comentário e apoio!!

      Beijos.

      Excluir
  15. Nossa que história forte, estou adorando acompanhar. Já estou ansiosa para saber do final.
    #curiosa
    Bjcas
    www.estou-crescendo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, que boa notícia, Shairane!! Obrigada pelo comentário!

      Beijocas.

      Excluir
  16. Olá, sabe o que mais me chamou a atenção neste capítulo, é a história do criminoso por ele mesmo. A geste se esquece que ali tem uma pessoa com sentimentos, algumas vezes arrependido pelo que fez, por outro lado a dor da outra família. É polêmico. adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Meirilene, fico muito feliz sabendo que você gostou do capítulo!! Obrigada pelo comentário!

      Beijos.

      Excluir
  17. Fiquei surpreendida com a atitude da irmã, sobre as palavras que conforto que ela proferiu, apesar de duras, sentiu-se a compaixão. É realmente uma pena que isso tenha ocorrido, que a personagem tenha seguido tal caminho que levou a esse evento trágico, mas paga pelos erros e é bom ler essa reflexão por parte dele e toda essa valorização da família (uma importante lição!) =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Sara, pelo comentário! Gostei bastante da sua opinião!!

      Beijos.

      Excluir
  18. Oi Cidália, bacana seu conto! Achei interessante o protagonista ter cometido um crime e vc desenvolver a história pelo ponto de vista dele! Muito bem escrito!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mi, que bom que você gostou!! Obrigada pelo comentário e elogio!

      Beijos

      Excluir
  19. Olá!
    Infelizmente, essa história se repete muito hoje em dia. Gostei muito dessa narrativa, ainda mais por você ter contado sob a visão do personagem que praticou o ato. Não tem coisa pior do que se arrepender de um erro do passado.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sávio!
      Muito obrigada pelo comentário, fico contente sabendo que você gostou da narrativa!!

      Abraço!

      Excluir
  20. Estou adorando acompanhar cada post deste conto, e ficando muito surpresa e ansiosa com esta história!

    www.aromadecachos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Mari, obrigada pelo comentário e apoio!!

      Beijos.

      Excluir
  21. Oi, Cidália
    O resultado só poderia ser esse, né? Prisão. Embora muitos casos ficam sem solução ou culpados. É uma pena que os jovens acabam indo por esse caminho por causa das drogas, mesmo não sendo pessoas más.
    Continue escrevendo, você escreve muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Letícia! Pois é!!
      Seu comentário motivador me deixou muito feliz, obrigada pelo apoio!

      Beijos.

      Excluir
  22. Oiee ^^
    A gente colhe o que planta, não é mesmo? Apesar de que não sei se isso acaba acontecendo com todo mundo, sabemos que muitas pessoas acabam sendo presas mesmo sendo inocentes, e acabam passando a vida toda num lugar onde não mereciam estar, maaaaaaaaas...
    Gostei muito deste capítulo!
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, Dryh!
      Sim, com certeza!! Verdade!
      Obrigada pelo comentário, fico feliz sabendo que este capítulo te agradou!!
      Beijos.

      Excluir
  23. Que trama... Diogo só está colhendo o que plantou e uma pena que o arrependimento só tenha batido agora, depois das últimas consequências. Mas vamos ver o que a história reserva a ele e seu familiares.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é verdade!!
      Aguarde o próximo capítulo...
      Obrigada, beijos.

      Excluir
  24. Eita que essa história tá ficando cada vez mais tensa. Tô adorando!

    ResponderExcluir
  25. Que história completamente tocante, e realmente pois e notório a forma como muitos jovens tem tomado a mesma decisão, fazendo uma escolha, na qual a responsabilidade que vem juntamente com essas atitudes muitas vezes não e legal, muito pelo contrário. Mesmo que talvez seja tarde o arrependimento muitas vezes nos leva a um caminho diferente. Espero que essa história tenha uma revira volta.

    VENHAM PARTICIPAR DO SORTEIO: kit da Tag Livros de fevereiro, O alforje, Bahiyyih Nakhjavani
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lana, pelo comentário e depoimento!! Fico contente sabendo que você gostou da história!!

      Beijos

      Excluir
  26. Que história legal! Escrever é tão bom né? Gostei tanto que já vou procurar outros textos por aqui para ler.
    Beijinhos. Versos da Alma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Laura!! Sim, eu gosto muito de escrever. Oba, que boa notícia!

      Beijinhos.

      Excluir
  27. Nossa..... que chocante. Pena que não é assim o pensamento de muitos que matam né? Mas creio que é mais uma questão de sociedade mesmo então é meio complicado falar, mas espero que todos tenham este mesmo sentimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, infelizmente, muitos criminosos sentem prazer em matar! Obrigada pelo comentário e opinião, Greice!!

      Beijos

      Excluir
  28. Eu adoro aparecer por aqui Cidália, sempre pego a história seguindo uma linha e começo a imaginar o que aconteceu pra chegar até ali e o final dá mais pano ainda pra imaginação, adoro a sua escrita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, que bom saber que você gosta da minha escrita, Dayhara!! Obrigada pelo comentário motivador!

      Beijos.

      Excluir
  29. Oi...
    Que história profunda e forte, infelizmente é o retrato de muitas famílias da nossa sociedade,né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, infelizmnte, Joana!! Obrigada pelo comentário!

      Beijos

      Excluir
  30. Oie!

    Não sei como é a história antes desse post, mas nota-se que é um retrato do nosso dia a dia, infelizmente as pessoas estão se matando por pouco, e no caso do personagem quando ele perdeu tudo é que vi o que tinha na frente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Nay!
      Pois é, infelizmente é isso que está acontecendo!
      Obrigada, beijos!

      Excluir
  31. Acredito no arrependimento, mas ele não vale nada se não houver uma punição para os delitos e acho que o texto trouxe bem isso nos personagens.
    Você escreve muito bem.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário motivador!!

      Beijos!

      Excluir
  32. Oi Cidália!
    Estou impactada com o seu texto, me revoltei e até chorei. Suas palavras foram incríveis, trazendo personagens reais, não justificando nada, mas mostrando um lado que muitos não veem. Você mostrou humanidade! Parabéns pelo texto incrível!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kamilla!!
      Você não imagina como seu comentário me deixou feliz! Muito obrigada pelas palavras motivadoras!!
      Beijos!

      Excluir
  33. O arrependimento e o remorso são dois sentimentos extremamente fortes e negativos que comem a alma de uma pessoa em vida. A história desse jovem Diogo é a história de milhares, talvez até milhões, de adolescentes pobres que veem a própria vida desviada pelo crime. História muito triste e, mesmo ficcional, muito real.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Rob, pelo comentário! Gostei bastante da sua opinião!! Infelizmente o texto retrata a realidade de muitas famílias.
      Abraço.

      Excluir
  34. Olá, tudo bem?
    Confesso que no começo do texto, me senti um pouco perdida por não me lembrar da parte anterior. Porém, ainda assim fui arrebatada pela leitura. É um tema sério e muito importante. Para todas as escolhas e ações, sempre há consequências. E, mesmo quando a pessoa se arrepende, precisa lidar com as consequências de suas atitudes.
    Adorei o texto! É impactante e traz um tema que, infelizmente, é muito presente na vida real.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria Luíza, tudo bem!!
      Seu comentário me deixou muito contente, amei a sua opinião!
      Obrigada, beijos!

      Excluir
  35. Reflexivo, complexo e deixa o leitor curioso por mais. Adorei, como todos nos sabemos, consequências sempre veem, e muitas vezes acompanhadas de arrependimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário!! Fico feliz sabendo que você gostou do que leu!
      Beijos.

      Excluir
  36. Oi, Cidália

    Fiquei aqui me colocando no lugar da Isabel. Não sei se eu seria tão condescendente por mais que fosse meu irmão, sabe? Afinal, foi um assassinato. Mas aí vem a questão das drogas, até que ponto ele é responsável pelos atos dele, né? Acho o arrependimento um sentimento muito válido, mas não acho que é em todo caso que se merece perdão.


    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tamires!
      Muito obrigada pelo comentário, amei a sua opinião!! (Acho o arrependimento um sentimento muito válido, mas não acho que é em todo caso que se merece perdão.) Concordo com você, mas há casos e casos!

      Beijos!

      Excluir
  37. Olá!
    Você estava inspirada com essa história hein. Achei o texto bem impactante e apesar de não concordar com as atitudes do personagem, também me leva a reflexão de vários questionamentos como perdão e redenção e até que ponto o ser humano é capaz realmente de esquecer e passar por cima de um erro tão gravemente cometido.
    Com certeza leria mais algumas linhas desse texto incrível.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Camila!!
      Pois é, às vezes me sinto inspirada e gosto de escrever! Fico feliz que tenha gostado da história e que minhas palavras tenham servido como reflexão. Muito obrigada pelo incentivo!!

      Beijos!

      Excluir
  38. Realmente, quando alguém faz o mal a alguém, um mal desse tamanho, acaba fazendo mal a si também. A paz de espírito e a liberdade não tem preço.

    - Bjux,
    Diego || Blog Vida & Letras ♥ @vidaeletras
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
  39. É a mais pura verdade, Diego, é um mal irreparável, infelizmente!
    Obrigada pelo comentário!!

    Beijo

    ResponderExcluir