segunda-feira, 1 de maio de 2017

Esse tal de Facebook!

                                                                           Desenho: Marcos Wagner  

Estava eu voltando  da capital no último ônibus daquele dia. O ônibus estava lotado. Alguns passageiros em pé, enquanto procuravam seus assentos. Sentei num dos bancos a direita do motorista. Na minha frente estava uma senhora que, mais tarde soube, era uma religiosa da mesma igreja onde eu frequento.

Depois que o ônibus saiu da rodoviária parou numa agência onde entrou um rapaz e sentou-se no último banco. Ele entrou com uma lata de cerveja na mão. Parecia bem extrovertido pela maneira como cumprimentou o motorista.

O ônibus saiu e as luzes foram apagadas. O livro que eu pretendia ler permaneceu fechado na minha mão. Preferi pensar na minha neta; fazia poucas horas que eu a havia deixado, mas já estava com saudades.

Lá pelas tantas, o rapaz do fundo veio para a frente e sentou-se ao lado da senhora religiosa. Nessa altura, aquele banco já estava desocupado.
- Parece que você está muito feliz meu jovem – ela falou vendo a euforia do rapaz.
- E estou mesmo muito feliz, graças a esse tal de Facebook. Uma ex namorada me encontrou depois de dez anos. Estou indo encontrá-la.
- Não entendo dessas modernidades. Do que você está falando?
- Ah, me desculpa, senhora. Esse tal de Facebook é uma rede social onde podemos encontrar as pessoas e conversar com elas.
- Entendi. Então, sua ex namorada encontrou-o através dessa rede social depois de muitos anos!

Aquele converse na minha frente despertou a minha atenção. Fiquei curiosa com a história do rapaz.

- Há dez anos eu morava com a minha avó na mesma cidade  que ela, a Soninha. Meu pai ficou viúvo, casou novamente e eu fui rejeitado pela minha madrasta. Daí ele me levou para a casa dos meus avós.
- Geralmente a madrasta cuida bem dos filhos do marido.
- No meu caso, a minha madrasta não me aceitou. Eu tinha dez anos quando isso aconteceu. Conheci a Soninha na escola e fomos muito amigos. Aos quinze anos começamos a namorar. Como já disse ela morava nas proximidades. 
- Hum, que interessante, meu rapaz!

A senhora religiosa já estava íntima do moço, pareciam velhos conhecidos.

- Namoramos durante dois anos, estávamos apaixonados, mas daí meus avós se mudaram. Foram morar com o meu pai que tinha ficado viúvo e estava sofrendo para cuidar do filho e do trabalho. 
- Você tem um irmão que também contou com a ajuda dos seus avós?
- Tenho. E esse, meu pai não levou para meus avós, preferiu que eles vendessem a casa deles e fossem para a cidade grande. Tive que deixar a Soninha com a promessa de voltar. Ela chorou muito, mas acabou entendendo a minha situação. Chegando na cidade grande passei por umas fases difíceis, adaptação na escola, desentendimento com o meu pai e falta de amigos.
- Nossa, imagino o que você passou! Mas você não podia falar com a Soninha por telefone?
- Naquela época não tínhamos celular  e como estávamos sempre juntos nunca trocamos o número de telefone. 
- Poderia ter escrito uma carta para ela. 
- Nunca fui bom com esse negócio de cartas. E nem dei meu endereço para que ela me escrevesse.
- Daí ia ficar difícil mesmo. Talvez o que vocês sentiam na época fosse apenas fogo de palha. Se fosse amor teriam dado um jeito de se falarem.

Aquela história estava bem interessante e eu já estava torcendo para dar tempo do rapaz contá-la na íntegra.

- Meu pai arrumou um emprego para mim na lanchonete onde ele era o gerente. Dali em diante eu dividia o tempo entre o trabalho e o estudo. As coisas começaram a melhorar entre eu e meu pai. Me envolvi com a filha de uma garçonete e me tornei pai aos dezenove anos. Ela tinha dezesseis. 
- Rapaz, sua vida parece uma novela – disse a religiosa.
- Parei de estudar e tive que trabalhar em mais de um emprego para ajudar a criar minha filha. Levei as duas para casa do meu pai. Meu avô faleceu e a minha avó se distraía ajudando a cuidar da criança e do meu irmão. 
- Sua avó é uma Santa.
- Foi uma mulher muito boa. Três anos depois ela foi se encontrar com meu avô. 
- E seu pai não casou mais?
- Não e eu acabei ficando solteiro também. Faz pouco tempo que minha mulher se apaixonou por outro e foi embora com a minha filha. O outro era mais velho e bem de vida. 
- Ela agiu por interesse, então. 
- Depois que isso aconteceu abri uma conta nesse tal de Facebook e uma moça me adicionou dizendo que era a Soninha. 
- Imagino a sua alegria por ela tê-lo encontrado.
- Fiquei admirado por ela se lembrar de mim e dizer que mora no mesmo endereço. Disse que casou e teve um filho. Hoje está separada e trabalha num salão de beleza. Ficou uma mulher muito bonita pelo que vi na foto.

O ônibus estava quase chegando na cidade onde o moço ficaria e eu estava agoniada para saber o final daquela história.

- Ela está te esperando a essa hora? Já é quase meia noite!  - falou a senhora.
- Aproveitei a minha folga e vim vê-la. Espero que a chama entre nós reacenda.

O rapaz falante chegou ao seu destino, assim como muitos passageiros e se despediu da senhora antes de descer.

- Obrigada por me ouvir dona, eu estava precisando desabafar.
- Boa sorte meu jovem (desculpa, nem perguntei seu nome), que Deus te proteja, boa sorte! 
- José Eduardo – respondeu ele ao descer do ônibus- obrigado, amém!

Eu e a religiosa continuamos a viagem. Fiquei olhando aquele rapaz e imaginando qual seria o desfecho da sua história. Comentei com a senhora e ela disse que era a primeira vez que tinha ouvido uma história como aquela. Talvez nunca tenha dado atenção para o passageiro ao seu lado.

Pensei em quantas histórias como essa existem por aí. Reencontros graças a esse tal de Facebook!


Sua visita me deixa muito feliz!
Obrigada!!
Beijos,
Cidália.

36 comentários:

  1. Adoro essas histórias que se desenrolam no ônibus haha
    Meu pai recentemente reencontrou uma antiga namorada, está muito feliz XD

    http://www.umavidaemandamento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só, que legal, Bruna!!
      Obrigada pelo comentário!

      Beijinhos

      Excluir
  2. Oii... Adorei seu Blog, não conhecia, mas vou começar a acompanhar os contos :) Beijoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline!
      Que bom, estou feliz com a notícia!!

      Obrigada pelo comentário, beijinhos!

      Excluir
  3. Muito legal adoro contos, achei esse bem interessante:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, que bom que você gostou, Aline!!
      Obrigada pelo comentário!
      Beijinhos

      Excluir
  4. É cada história de ônibus que vou te falar vi? kkkk algumas são super engraçadas. Gostei Cíci bjs😙

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Keila, verdade!

      Obrigada pelo comentário!!
      Beijinhos

      Excluir
  5. Oi, Cidália! Sim, de fato, muitos reencontros aconteceram comigo por esse tal de Facebook. Amigos da época da escola foram vários! E é interesse notar o quanto essas pessoas mudaram. Bem, quanto ao seu conto, acho que todos ficamos curiosos com o desfecho da história do José Eduardo. Quem sabe não seja revelado em um outro conto? Beijos.

    www.umtracoqualquer.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laysla!
      Que legal!! Eu também reencontrei vários amigos e até parentes que tinha perdido o contato.
      Quem sabe?? Obrigada pelo comentário!!

      Beijinhos

      Excluir
  6. Nossa vc como sempre me surpreendendo com suas histórias maravilhosas. Uma rede social quando usada para o bem traz muita felicidade mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Carla, concordo com você!
      Muito obrigada pelo comentário e elogio!!

      Beijinhos

      Excluir
  7. eSSAS HISTORIAS DE ONIBUS SÃO AS MELHORES. FORA O FACEBOOK, QUANTOS REENCONTROS NÃO ACONTECERAM ALI NÉ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Áry, muitos reencontros!!

      Obrigada pelo comentário!
      Beijinhos

      Excluir
  8. Graças ao Facebook encontrei velhos amigos,suas histórias sempre me surpreende parabéns Cidalia !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal, né Cleuza, reencontrar os amigos depois de tanto tempo!!

      Obrigada pelo comentário, beijinhos!

      Excluir
  9. Andando pelo ônibus a gente sabe de cada história, muitos não gostam do Facebook mas o Facebook muitas vezes ajuda, só temos que saber usar ele, mas uma história boa Cidália bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Lucimar! Basta a pessoa saber usar que não vai ter problema!!
      Muito obrigada pelo comentário!

      Beijinhos

      Excluir
  10. Caraca que maneira é a forma como foi narrada parecia que eu estava vendo tudo acontecer, muito bom 👏👏👏👏💗

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da narrativa!
      Obrigada pelo comentário!!

      Beijinhos

      Excluir
  11. Ehehehe...amei a forma como você contou a história. reencontros pelo facebook hoje são comuns, mas vc contou de uma forma tão legal que eu espero que tenha dado tudo certo para o josé eduardo e pra soninha! sejam felizes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Tatiana, verdade!
      Fico feliz sabendo que você gostou da narrativa.
      Obrigada pelo comentário!!

      Beijinhos

      Excluir
  12. Oii, tudo bem? Adoro contos e a forma que você narrou parece que estamos dentro dá história! Ameii

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marília, tudo bem!
      Oba, que bom que você gostou da narrativa!!

      Obrigada pelo comentário!
      Beijinhos

      Excluir
  13. Amei, só fiquei curiosa com o desfecho da história, mas esse tal de face prega cada surpresa na gente, algumas boas mas outras nem tanto. Também amo contos. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, que bom que você gostou, Edna!! Verdade!!
      Obrigada pelo comentário!

      Beijinhos

      Excluir
  14. Adorei o conto, muito interessante, valeu bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Tamila!!
      Obrigada pelo comentário!

      Beijinhos

      Excluir
  15. Adoro ler contos, este então um máximo,
    Vou voltar mais vezes bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, fico feliz sabendo que você gostou, Cris!
      Obrigada pelo comentário!!

      Beijinhos

      Excluir
  16. Nossa que história interressante, adoro blogs que tem historias assim, imaginei do começo ao fim os personagens, e sera que ele se encontrou com seu amor Soninha, como teria sido esse encontro. Parabéns, sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ade, estou muito contente sabendo que você gostou do blog e da história!!
      Obrigada pelo comentário, volte sempre!

      Beijinhos

      Excluir
  17. Que conto mara Cih! Adorei o desenrolar da historia, me fez lembrar de umas historias de ônibus que já vivi rsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Reh! Que bom que você gostou da narrativa e que pôde lembrar de histórias de ônibus que viveu!!

      Beijinhos

      Excluir
  18. Tenho duas amigas, que já separadas do primeiro casamento, reencontraram ex namorados de adolescência. Tempo do Orkut. Hoje estão felizes, casadas com seus amores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só que legal!!
      Muito bom quando sabemos desses reencontros que deram certo!
      Obrigada, Vera, pelo comentário!

      Beijos.

      Excluir