sábado, 14 de setembro de 2019

Turistando por aí


Afastada por alguns meses do blog por motivos pessoais, senti vontade de escrever este texto após fazer duas viagens seguidas com a RBR Turismo.

No último sábado de agosto eu, meu marido e algumas amigas fomos à Holambra (eu, meu marido e uma amiga pela segunda vez), as demais pela primeira vez.

No ano passado voltei decepcionada por não ter visitado o campo de flores que é a maior atração.

Por isso quis ir este ano, para ver o campo de flores e assistir a chuva de pétalas, pois o ano anterior saímos de lá muito antes do início do espetáculo.

Desta vez fomos primeiramente ao campo de flores. Eu já me imaginava numa foto no meio dos girassóis.

Mas, ao olhar em volta vi apenas os girassóis num painel, as flores não haviam florescido. Apenas uma e outra no meio da plantação.

Mesmo assim pudemos apreciar a beleza de outras flores e tirar belas fotos.













Quanto à chuva de pétalas foi emocionante. Consegui pegar algumas no ar apenas com uma das mãos, enquanto a outra segurava o celular que estava filmando o evento.





No final do dia saímos do recinto extremamente cansados, pois estava muito calor, mas contentes com o passeio. Meu marido comprou algumas mudas e bulbos.

Na quinta, dia 05/09, lá estávamos eu e algumas amigas na rodoviária rumo a São João Del Rei onde ficaríamos hospedadas para conhecer, além de São João, Tiradentes e Congonhas do Campo.


Muitas professoras dentro do ônibus, até parecia uma reunião pedagógica.

Chegamos na manhã do dia 06 e após o café no hotel saímos para conhecermos o centro histórico de São João Del Rei.


Visitamos algumas igrejas, museus e o túmulo do Tancredo Neves. A cada igreja visitada, Igreja de Nossa Senhora do Carmo, Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Igreja de São Francisco de Assis, ficávamos extasiados.


































No dia seguinte fomos conhecer a cidade de Tiradentes. Antes de entrarmos no trem, visitamos o museu da estação.


Ao chegarmos à cidade fomos direto ao restaurante para o almoço e depois acompanhamos o guia em mais um tour. Conhecemos o chafariz onde as escravas sentavam-se para descansar e conversar um pouco. Segundo o guia era o local onde as escravas fofocavam.




















A bela igreja de Tiradentes, Igreja de Santo Antônio, nos fez perder o fôlego, porém valeu a pena a caminhada. Conhecemos, também, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário que nos encantou com a sua história.

Tivemos um tempo livre para passearmos na praça e para saborearmos um sorvete ou comprarmos alguma lembrança.

No domingo pela manhã demos adeus a São João Del Rei e partimos para Congonhas do Campo.

Ficamos boquiabertos ao subirmos a rua. Subimos numa Van, o ônibus não conseguiria, provavelmente. Parecia que estávamos subindo para o céu. Aqui onde moro tem muitas subidas e ladeiras, mas como Congonhas do Campo, não tem.

Estava tendo a festa do Bom Jesus, então havia muita gente andando para lá e para cá entre as barracas. O guia foi nos guiando com o braço levantado no meio da multidão. Ele segurava um livro.

A Igreja Bom Jesus de Matosinhos estava fechada e numa das laterais o povo seguia em fila para a confissão.
Vimos as obras do Aleijadinho através das aberturas nas portas de cada capela e tiramos fotos.

















Antes de voltarmos paramos para o almoço e mais uma foto.



A viagem de volta foi longa e cansativa, assim como na ida. Os aniversariantes do mês ganharam presentes das organizadoras da excursão.

Costumo dizer sempre que toda viagem se torna cansativa tanto pelas horas na estrada (se for de ônibus) como pela intensidade dos passeios. O que importa é que tudo isso vale a pena, pois voltamos com uma bagagem de conhecimento e aprendizagem muito grande. Sem falar nas amizades fortalecidas, nas boas gargalhadas e na quantidade de fotos.


É um prazer estar de volta com o blog, obrigada pela visita. Volte sempre que tiver um tempinho, será bem vindo (a)!

Cidália.