domingo, 15 de maio de 2016

A força do amor

Enquanto voltava da escola, Luna apressou seus passos conforme o ritmo de Beethoven’s 5 Secrets, em seus fones. Aqueles minutos eram seus preferidos, pois saía de si e esquecia a maior parte de seus problemas. Porém, aquilo não durou muito tempo.
Ao chegar em casa, jogou a mochila no chão do seu quarto e fez a mesma rotina de sempre. Sem ao menos ser notada (isso já não importava tanto), pois a falta de atenção era algo tão comum para ela, que tinha aprendido a conviver com aquilo. 
Naquele dia, ela tinha tirado sua maior nota na aula e empolgada foi mostrar para seus pais. Quando ia falar sobre isso, eles a interromperam e começaram a reclamar, dizendo coisas com total ignorância. Descontaram todos os seus problemas nela, que não fazia questão de ganhar aquela discussão. 

Assim, abaixou sua cabeça e voltou para seu quarto, amassando a folha com a nota que a tinha deixado feliz. Junto, veio um choro que parecia não ter fim. Seus pais não eram presentes em sua vida. 
Alguns dias, nem se falavam; para eles, sustentá-la já era suficiente. Não precisavam lhe dar amor, porque, em suas cabeças, Luna era grande demais para ganhar um abraço ou qualquer gesto carinhoso. 
Ela tinha dois irmãos, gêmeos, e toda atenção era voltada a eles. Era como se ela fosse invisível, como se não servisse para nada e não tivesse nenhum valor. Com esses pensamentos, acabou pegando no sono.
Naquela mesma tarde, ao acordar, Luna foi para sua aula de piano, o único lugar que alguém acreditava em seu potencial. 
Enquanto tocava, dava sua alma para a música, como se fosse um desabafo. Ficou lá até seu professor pedir para que fosse  embora. 
Ao chegar em casa, sua mãe começou a reclamar sobre o horário. Disse que ela era imprestável, que não fazia nada direito, que só queria saber dessa porcaria de música. Disse, ainda, que seus irmãos eram melhores que ela. Ao ouvir tudo aquilo não pôde fazer nada, para sua mãe qualquer questionamento era inválido.


Luna carregava sentimentos errôneos dentro de si, precisava de alguém, precisava de algo e foi naquela noite que tudo mudou. Ela decidiu ver uma chuva de meteoros em seu telhado, durante aquela madrugada. Amava o céu de uma forma que ninguém saberia explicar!  Acabou vendo uma estrela cadente e com toda força do mundo fez um pedido. 
- Por favor estrela, me tire daqui, me leve para algum lugar onde gostem de mim. Por favor estrela, preciso de alguém,  preciso sair daqui pelo menos por hoje.

E para sua surpresa, acordou em um lugar totalmente diferente. Era tudo azul e ela conseguia andar sobre as estrelas, e podia ser quem ela quisesse. Poderia ser ela mesma, isso já era suficiente e tudo o que imaginava aparecia ali. Luna estava sendo feliz pela primeira vez, ninguém  julgava-a e ela se sentia amada.
Seu pai acordou de madrugada e viu a luz do seu quarto acesa. Levantou-se para lhe dar uma bronca por estar acordada naquele horário, mas se deparou com a falta dela. 
Começou a procurá-la pela casa e não obtendo resultado, acabou acordando os outros. Preocupados por não achá-la em lugar nenhum, um dos irmãos correu para o telhado, lembrando que a irmã gostava de ficar lá, às vezes. Quando chegou, encontrou sua irmã desacordada e gritou para os outros. 
Seus pais, desesperados, tentaram acordá-la, porém, ela não respondia. Todos começaram a chorar, sacudiram-na e nada dela acordar. Na mente de Luna, ela corria e pulava sobre as estrelas, enquanto uma linda sinfonia tocava ao fundo. Tudo era tão lindo e ela não tinha vontade de voltar.
Seus pais, percebendo que sua pulsação estava praticamente parando, se ajoelharam e a abraçaram. Olharam para o céu e pediram:
- Meu Deus, se realmente existe, traga nossa filhinha de volta. Nós prometemos ser mais presentes na vida dela, não tire-a de nós! Não somos nada sem ela, porque a amamos.
Luna, via uma porta com uma claridade enorme, e não tinha certeza se queria entrar, pois, estava tão bom ali. Porém, acabou cedendo, fascinada pela luz branca que era muito bonita. Abriu os olhos, devagar e se deparou com os pais e seus irmãos chorando. Ficou sem entender nada. 
Ao reparar que a filha estava acordando, seus pais agradeceram a Deus, abraçando-a com  muita força. Afinal, quase a perderam.
À partir daquele dia, eles passaram a agir diferente. Davam-lhe amor e atenção. Entenderam a falta que ela faria e tornaram- se pais de verdade. O medo de perdê-la fez com que passassem a valorizá-la. 
Perceberam, enfim, que o amor que sentiam pelos filhos era igual. Não podiam ignorar a filha, achando que só os mais novos precisavam de atenção e carinho.
A vida da família mudou para melhor; a união entre pais e filhos se fortificou. Luna começou a viver com plenitude, depois de sentir que era amada pela família. Dava e recebia amor!

Na sua opinião, o que aconteceu com Luna sobre o telhado? 
Se os pais dela não ficassem com medo de perdê-la, será que teriam percebido que Luna sentia-se rejeitada?

Colaboração de C,M.F.

56 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada Nida!
      Uma semana abençoada a vc e sua família!
      Bjos

      Excluir
  2. Nossa,mtas vezes isso acontece para entendermos que amor é amor e ponto!Aqui é uma historia ,mais tem lares que é exatamente assim! ótimo post viu!
    www.btomporfavor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é,infelizmente alguns pais fazem diferença entre os filhos.
      Obrigada, bjs.
      Uma ótima e abençoada semana a você e sua família!

      Excluir
  3. Muitos casais pensam que filhos é só por no mundo ,será que não sabem que uma criança precisa de amor e carinho ,chorar ,se lamentar depois que perde não adianta mais ,os país de luna tiveram muita sorte Deus deu uma nova chance . parabéns a escritora .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas vezes é isso mesmo que acontece. Alguns pais nem pensam em dar amor e carinho aos filhos!
      Uma ótima e abençoada semana, bjs!

      Excluir
  4. Eu acho que a Luna estava em um momento de desespero. E caso ela não tivesse entrado na porta, iria se arrepender para sempre.
    Nem sempre pai e mão são o que podemos chamar de família. Temos tios, tias, primos,avós..

    Luna fez muito bem, ela não pode depender dos outros e espero que a Luna cresça bastante apartir dessa experiência. :)

    rastros.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Jéssica! Amei a sua opinião. Há muitos tipos de famílias sim e Luna sentia-se desprezada.
      Bjos

      Excluir
  5. Que texto gostoso de ler e reflexivo. Não me atrevo a imaginar o que Luna fazia no telhado, prefiro ver o desenrolar da história.
    Super inscrita aqui e vou adorar ler seus textos ♥
    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário! Amei sua visita, que bom que gostou de ler a minha história.
      Bjs

      Excluir
  6. Incrível como vc escreveu com tanta sensibilidade

    ResponderExcluir
  7. Eu diria que de tanta tristeza, ela teve uma síncope, ficou inconsciente num sonho. E teria talvez morrido se os pais não a tivessem sacudido.
    É um conto fantasioso com final feliz. Bem escrito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ela estava muito triste por sentir-se ignorada, desprezada pela família. Amei a sua opinião, Vera.
      Muito obrigada, bjos.

      Excluir
  8. AS PESSOAS NO GERAL SÓ DÃO VALOR ÀS PESSOAS QUANDO A PERDEM. E AÍ É TARDE DEMAIS. EU NÃO FALO APENAS NAS RELAÇÕES DE PARENTESCO, FALO TB NAS DE AMIZADE, DE COLEGUISMO, DE PROFISSÃO... COMO TANTAS VEZES ACONTECE ENQUANTO LIA DELINIOU-SE EM MINHA MENTE UM SUICÍDIO. TENHO A MANIA DE ANTECIPAR FINAIS MESMO ENQUANTO LEIO. LI UMA FRASE HOJE DE FRANCISCO DE BASTOS CORDEIRO QUE DIZ: MORRER É UM ATO TÃO NATURAL COMO NASCER; A GRANDE TRAGÉDIA É "VIVER". O QUE VOCÊ ESCREVEU NO CONTO É MAIS NATURAL ACONTECER NAS FAMÍLIAS ATUAIS DO QUE IMAGINAMOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior é que é verdade, Sara. É bem isso mesmo! Lendo seu comentário, lembrei de algumas colegas de trabalho que perdi o contato. Bateu saudades e curiosidade. Por onde andam, o que estão fazendo?
      Amei a sua opinião, a sua imaginação. Às vezes, também gosto de antecipar o final das histórias, rsrsrsrs!
      Gosto muito das frases que você cita, e essa então, é a mais pura verdade.
      O que aconteceu com a Luna, acontece em algumas famílias,infelizmente!
      Obrigada, bjos.

      Excluir
  9. Ai que tudo!! Amo contos, Leituras diversas, amo ler.
    Já gostei desde já.
    Infelizmente muitas pessoas agem assim, principalmente com crianças e existem muitas razoes, mas é verdade que as pessoas só dão valor quando perdem. No caso nesse conto, acredito que Deus tenha dado uma chance para essa família. Se houve mudança, então houve aprendizado.
    Amei.
    Bjss <3
    www.chuvanojardim.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou muito contente com o seu comentário, obrigada.
      Pois é, ainda bem que os pais conseguiram reconquistar o amor da filha. Souberam aproveitar a chance que Deus lhes deu.
      Obrigada, bjos.

      Excluir
  10. Lindo texto. Amei, parabéns!

    www.gipereiraa.com.br

    ResponderExcluir
  11. Nossa, que conto emocionante!
    Sem palavras! Amei!
    Sempre arrasando!
    Beijos!
    Escritora por um Acaso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Vitória!
      Estou feliz pelos elogios.
      Beijos.

      Excluir
  12. Conto emocionante, sem folêgo!
    http://isaberenice.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelo conto, emocionante! <3 Gostei do texto tanto quanto do Blog no geral. Sucesso à você!

    www.filtrodepapelmanchado.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bárbara! Fico feliz que tenha gostado. Obrigada, de coração.

      Bjos

      Excluir
  14. Com tanta tristeza ela ficou `presa´ em uma especie de sonho. Mas ainda bem que os pais dela estavam lá para ajuda-la. O melhor é que teve um final feliz.
    Parabéns pelo conto!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito da sua opinião, Nathy! Sim, no final os pais reconheceram que o amor que sentiam pelos filhos era igual.
      Obrigada, bjos.

      Excluir
  15. Adoro leitura, minha viagem de volta do trabalho hoje foi no seu blog! Rs Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Adorei flor.. você escreve muito bem! Já pensou em escrever um livro? eu com certeza leria..

    Um Super beijo...

    Att. Thays Alkmin

    http://thaalkmin.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Thays! Já pensei, quem sabe, um dia!! Que bom!

      Beijos!

      Excluir
  17. Nossa, foi preciso quase perder a filha para dar valor, infelimente isso acontece muito em família, gostei, muito relfexivo. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Sandra, infelizmente, existe!
      Muito obrigada, bjs.

      Excluir
  18. Amei prima, que Deus abençoe a sua vida. Te admiro muito.Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada prima, amém! É recíproco, acredite.
      Deus te abençoe, beijos!

      Excluir
  19. Achei muito bom, acho que eles teriam perdido Luna por não dar a atenção toda que ela precisava.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente, ela estava muito carente de amor e carinho.
      Obrigada, beijos!

      Excluir
  20. Ameeei a história é já curti seu blog,Parabéns!

    qnd tiver um tempinho da uma olhadinha em meu blog...Beijos:) <3
    http://estantedelivros3.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Nossa que história emocionante !
    Infelizmente muitos pais tratam seus filhos mais velhos dessa forma e não percebem que estão lhe fazendo mal ou muitas vezes é necessário a perca para perceber o amor que sentiam !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tem pais que não conseguem esconder a preferência por um dos filhos. Não deveria ser assim. Tanto um como o outro, independente da idade, necessita de carinho.
      Obrigada, beijo!

      Excluir
  22. A Luna se sentia rejeitada pelos pais. Infelizmente tenho presenciado em famílias com a mesma situação da Luna. Muitas famílias fazem isso, se não é com o primogênito, pode ser com o mais novo ou do meio. Tem casos que os pais tem que levar "o pequeno susto" para dar mais valor no(a) filho(a). Pra mim tem que criar todos eles com o mesmo amor que tem pelo outro!
    Muito lindo a história!!!

    Bjs Cidália!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Raquel! Não consigo entender essa distinção que alguns pais fazem entre os filhos. Deve ser por isso que tive apenas um filho.
      Obrigada, beijos!

      Excluir
  23. Já fui a Luna por diversas vezes na vida.
    Acho que no telhado ela pegou num sono muito profundo e os seus pais se desesperaram.
    As vezes as pessoas precisam perder pra dar valor.

    Beijinhos,
    Aline Magalhães
    Alineland

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez esses pais não percebam que estão magoando um dos filhos, quando fazem distinção entre eles.
      É verdade!
      Obrigada, beijinhos!

      Excluir