domingo, 13 de agosto de 2017

Vida às avessas X (desilusão)



Ao caminhar pelos cômodos da casa, esperando encontrar alguém, dona Josefa respirava fundo para não derramar nenhuma lágrima. O silêncio reinava, a casa estava vazia! Ela saiu no quintal, talvez o filho estivesse esperando-a no carro. Porém, a garagem estava fechada.

O jeito era esperar. Certamente, Jesuíno viria buscá-la. Provavelmente, o carro estava lotado e ele voltaria em seguida. 

Dona Josefa pegou seu crochê para passar o tempo. Pensou em chamar um táxi, mas como estava confiante de que iria com o filho, não pegou o endereço do clube. O casamento seria realizado no próprio clube e não na igreja.

O telefone tocou, dona Josefa levantou-se e foi atender.

- Alô! Com quem gostaria de falar?

- Vovó, não reconheceu minha voz? Sou eu, Ariana. Como a senhora está? Estamos com muita saudade. 

- Oi, meu bem, eu também estou com muita saudade de vocês. Vou pedir para o Jesuíno me levar embora.

- Que bom vovó! Ficaremos felizes com a senhora aqui conosco. 

- Quero ajudar sua mãe a comprar uma casa, vou morar com vocês.

- Cadê o pessoal, vó? Sempre que ligamos alguém atende e diz que a senhora está descansando.

- Saíram. Hoje as gêmeas estão casando. É dia de festa para a família.

- E o que a senhora está fazendo em casa, vovó? Devia estar participando da cerimônia!

- Eu preferi ficar em casa, minha filha. Não gosto de tumulto - dona Josefa não teve coragem de contar para a neta que não a levaram.

- Que pena, vovó! Mas, eu entendo a senhora. Em breve estaremos juntas, se Deus quiser.

As duas conversaram por mais algum tempo e Ariana notou pela voz da avó que ela parecia triste. Devia ser por causa da saudade. Sueli aproveitou para conversar com a mãe, já que ela estava ao telefone. Contou que a Elizandra estava namorando e em breve ficaria noiva.

No final do dia, Jesuíno e a esposa chegaram em casa. As filhas foram diretamente para o hotel onde passariam a noite. Partiriam na manhã seguinte, cada uma com seu marido, para o destino escolhido. Ficariam algumas semanas em lua de mel.

Dona Josefa continuava sentada fazendo seu crochê. Não levantou a cabeça e não perguntou sobre o casamento. Jesuíno e Iracema se olharam e seguiram para o quarto. Estavam cansados e sem disposição para inventar desculpas.

Na manhã seguinte, o casal acordou cedo e saiu para passear. Eles pretendiam passar o domingo no clube para relaxarem.

Ao levantar e ir para a cozinha, dona Josefa notou que estava sozinha novamente. Preparou seu desjejum e foi para o quintal. Sentou-se num banquinho, debaixo de uma árvore, para ouvir o canto dos pássaros. Precisava tomar uma atitude e queria refletir.

Ariana saiu com a irmã para tomar um sorvete e ao passar pela praça viu o Geraldo acompanhado de uma bela moça. Era uma moça esbelta e chique. Parecia um pouco mais velha que ele. Eles estavam de mãos dadas e agiam como namorados. 

Bem feito para ela, pensou. Quem mandou agir como uma boba no dia em que ele lhe deu uma cantada? Àquela moça que o acompanhava parecia muito diferente dela.

- Por que você olha tanto para aquele casal, mana? - perguntou Elizandra.

- Não te contei antes porque a mamãe disse que aquele moço é sobrinho do seu Manoel que logrou o papai. Ele me parou no dia que eu ia passando por aqui e se apresentou. Eu não lhe dei atenção. Comentei com a mamãe e ela disse que nem queria ouvir falar sobre ele por causa do tio. 

- Poxa, mana, que pena! Ele é muito bonito. Mas, se ele tinha se interessado por você poderia ter insistido mais.

Ariana ficou com o coração partido e não percebeu a olhada que o Geraldo lhe deu ao se cruzarem. Daquele dia em diante deixaria de sonhar com ele. Seguiria sua vida ao lado da mãe e da avó. Provavelmente sua irmã seria a próxima a se casar.

Naquela noite quando Noel, o noivo da irmã, chegou para jantar na sua casa, foi logo despejando as informações. Parecia que ele tinha lido a mente da futura cunhada.

- Oi, boa noite! Vocês não imaginam o quê uma mulher pode fazer com um homem.

- Do que você está falando, querido? - quis saber Elizandra - eu fiz alguma coisa com você?

- Não estou falando de você, meu amor. Estou falando do sobrinho do seu Manoel.

- Desculpe meu rapaz, mas não quero ouvir esse nome - pronunciou dona Sueli.

-Ah, mamãe, deixe que ele conte o que ficou sabendo. Estamos curiosas - Elizandra não se aguentava de tanta curiosidade.

- Fale de uma vez, então, rapaz - Sueli abriu uma exceção por conta do pedido da filha.

- Parece que o moço estava apaixonado por alguém, mas numa noite de bebedeira acabou se envolvendo com uma moça rica e ela engravidou. Agora ele não tem coragem de abandoná-la, por causa do bebê, foi o que ouvi no trabalho.

- Nossa, coitado desse rapaz - Elizandra deu uma piscada para a irmã - então ele é gente boa, não puxou o tio.

Avó e neta sentem-se desiludidas por motivos semelhantes mesmo sem uma saber o que está acontecendo com a outra.

Dona Josefa, por causa do comportamento e atitudes do filho e da nora.  

E Ariana por ter encontrado o rapaz, por quem suspirava em seus devaneios, com outra moça.

Qual será o destino destas duas mulheres que têm muito em comum?

Não deixe de ler o próximo capítulo!


Sua visita me deixa muito feliz.

Obrigada!

Cidália.

PS: Meu agradecimento especial ao meu sobrinho, Marcos Wagner, por mais uma ilustração!









31 comentários:

  1. Jesuíno é um safado sem coração fazer isso com a própria mãe,mais como tudo o que fazemos tem retorno espero que ele pague por tudo quanto a Ariana espero que ela encontre seu amor ela merece ser feliz .adorei o desenho ,tô adorando essa vistoria e já esperando a continuação.

    ResponderExcluir
  2. Cidália eu a cada dia estou odiando o Jesuíno que filho mais ingrato. Estou com muita pena da dona Josefa, é muito triste ver que um filho trata a mãe desse jeito, ele não liga pra ela. Infelizmente existem filhos como ele, aguardando o próximo capitulo bjs.

    ResponderExcluir
  3. Gente Jesuíno odiado por todos. Infelizmente existem vários Jesuínos.

    ResponderExcluir
  4. que bacana, ainda não li os capítulos anteriores mas já gostei da historia!

    ResponderExcluir
  5. ja tinha começado a ler a historia e esse capitulo esta de mais parabens #Jesuínofilhoingrato
    Coisas da Vida

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem?
    Coitada da Dona Josefa viu? Por ter um filho ingrato desse jeito, já tinha lido alguns capítulos dessa história e confesso que sua escrita vem melhorando cada vez mais estou adorando.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Que dó. Tratamento ingrato desse filho com a pobre dona Josefa. E quem nunca sofreu uma desilusão amorosa? Pobre Ariana. Vamos acompanhando o desenrolar da história e torcendo por um final feliz para essas duas mulheres.

    ResponderExcluir
  8. Renata Porto

    O enredo desta história é exatamente um retrato fiel de como sofremos por amor.O coração de uma mulher é sem limites porém cheio de muita paixão.O Jesuíno fez o que a sociedade considera o certo mas magoou o coração de uma pessoa que o amava.Leviano e indolor,espero o próximo capítulo com algum respaldo que acalme o nosso coração.

    ResponderExcluir
  9. Oi história é muito boa , relata o que realmente acontece quando sofremos por amor gostei muito beijos sucesso

    ResponderExcluir
  10. Realmente acontece quando sofremos por amor, ameio o post

    ResponderExcluir
  11. Adorei a história, estou sem palavras, quero ler os próximos capítulos.

    ResponderExcluir
  12. filho mais ingrato... estou com muita pena da dona Josefa, é muito triste ver que um filho trata a mãe desse jeito, ele não liga pra ela. Infelizmente existem filhos como ele aff. Aguardando os próximos capítulos.

    ResponderExcluir
  13. Adorei seu texto, história envolvente, já estou curiosa para saber o que vai acontecer!

    bj

    Dani do Blog sabe o que é?
    http://sabeoque.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Olá!!

    Estou adorando acompanhar essa história, quero ver o Jesuíno se ferrar de verde e amarelo, tomara que tudo fique bem para as duas mulheres e elas encontrem felicidade no amor e na familia. Estou aguardando o próximo post.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi Cidália!
    Peguei a história já em andamento, mas já estou adorando a dona Josefa! Tadinha gente, não pode ir no casamento!! Agora, estou curiosa para saber o que elas tem em comum!!! Você escreve muito bem, parabéns!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Nossa Que história em! Realmente acontece isso quando Sofremos por amor, Eu achei bem interessante a historia E vou ler os outros Capitulos!

    ResponderExcluir
  17. Oi, Cidália. Tudo bem?
    Nossa, realmente a vó e a neta tem muito coisa comum. Eu desenvolvi um carinho muito grande por essas duas personagem. E está me fazendo refletir bastante, pois infelizmente, os dilemas vividos por elas são vividos diariamente na vida real. Quero muito ver os próximos capítulo, pois estou torcendo muito pela felicidade de Ariana e Josefa, ela merecem ser felizes depois de tanto sofrimento. Como já disse, estou simplesmente amando a história. :D
    Abraço!

    meuniversolb.wixsite.com/meuniverso

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Ahhhh que sacanagem, quero saber o final, fiquei mega curiosa hehe.
    Tomara q as duas consigam ficar felizes

    Beijos
    www.livrosdanane.com

    ResponderExcluir
  20. Oi Cidália.

    Achei bacana o trecho que postou do conto. Como ainda não li os capítulos anteriores vou lê-los para pode conhecer melhor a história. Parabéns pelo conto.

    Bjos

    ResponderExcluir
  21. Tadinha da dona Josefa. É difícil saber que há pessoas reais que fazem isso com suas mães, mas espero que esse Jesuíno pague pelas pilantragens.

    ResponderExcluir
  22. Nossa, que dramático esse capítulo. Deu até um aperto no peito. E nossa esse Jesuíno nao se emenda, credo. Ansiosa pelo desenrolar do enredo. Bexitus!

    ResponderExcluir
  23. Nossa.
    Estou com o coração apertado pela dona Josela.
    Infelizmente existem pessoas assim na realidade :/

    Beijos
    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir
  24. Tadinha da dona Josefa, fiquei até com pena dela. É o que acontece a muita gente nesta vida...Quantos pais são abandonados e desprezados pelos próprios filhos e considerados um estorvo?!... Há quem se esqueça que um dia também irá ser velho e se tiver filhos, estes podem fazer-lhes o mesmo. É a lei do retorno! ;)

    ResponderExcluir
  25. Oi Cidália.
    A dona Josefa é uma senhora que desperta muito nossa empatia. É impossível não se comover com os sentimentos dela. O mais bacana é ver o quanto ela é a neta tem em comum, ainda que elas não saibam.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  26. Começando ler o conto da um ar de triste e desolado pela senhora Jesuina, mas ao desenrolar da estoria vamos conhecendo os personagens e a mais interessante o enredo. Parabéns pela sua maneira de expressar espero ver em breve publicação de um livro fisico por que ja gosto demais aqui no blog. Beijos

    ResponderExcluir
  27. Oie! Tudo bem?
    Nossa... esse conto ficou bom! Agora vou te falar, esse Jesuíno é um sem alma... que falta de respeito tratar a mãe assim... mas perros que dona Josefa e Ariana tenham seus finais felizes!

    ResponderExcluir
  28. Adorei o conto, preciso por os outros apitulos em dia, pois deixei de ler alguns.

    ResponderExcluir
  29. Sai de ré Jesuíno!!!!!Já conheci muitos assim por aí... deixa quieto Cicí!
    Que História triste!!!!
    Que venha final feliz!
    Bjos.:
    http://keilyces.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  30. Oi, parabéns, sua história prende a atenção da gente, não é monótona. Você escreve muito bem. Com certeza arrasaria escrevendo um livro, que eu compraria lógico :), na vida eu sou a Elizandra rsrs, curiosa que só Deus na causa .
    Mil beijos

    ResponderExcluir
  31. Oi, Cidália.
    Acabo de começar a acompanhar a história, mas me pareceu muito boa, vou atrás dos primeiros capítulos pra seguir direitinho! Gostei da sua escrita!

    Beeijos!
    Universo Tácito

    ResponderExcluir