segunda-feira, 12 de outubro de 2015

O tempo não apaga



Daniel, filho único, um jovem cheio de planos para o futuro, era funcionário público e tinha um cargo na prefeitura municipal. Fazia oito meses que havia saído de um relacionamento de dois anos. Conheceu Louise numa noite de sábado, quando ambos participavam de um jantar na casa de uma amiga em comum.
Ele logo se interessou por aquela jovem meiga e muito bonita. Soube que Louise era secretária num escritório de advocacia. Sua família escolheu morar numa cidade pequena depois que o pai se aposentou. Passaram um bom tempo conversando. No final da noite ele ofereceu carona e Louise aceitou. Combinaram de se encontrar no final da semana seguinte. 
E daquele dia em diante, passaram juntos muitos finais de semana. Contavam os minutos até o próximo encontro, que era um misto de alegria e felicidade para os dois. Gostavam de compartilhar suas ideias e planos. Pretendiam conquistar a casa própria e ter dois filhos.
Do namoro ao casamento foi questão de meses. Havia pressa para eles, tinham certeza que já se conheciam o suficiente para terem uma vida em comum. Marcarem a data e planejarem a festa; contaram com a ajuda dos pais que desde o início apoiaram o casal. Tudo correu exatamente como queriam. O casamento aconteceu na chácara dos padrinhos da noiva. O dia estava magnífico, com todos os parentes e amigos do casal presentes. A noiva estava deslumbrante no seu belo vestido.
Logo depois da valsa que dançaram ao pôr do sol, viajaram para curtir a lua de mel em Búzios. Ficaram lá durante duas semanas. Adoraram o hotel onde passaram a maior parte do dia e se divertiram em todos os passeios. As duas semanas voaram e eles voltaram para casa que dividiriam como marido e mulher.
Como todo casal apaixonado, não se desgrudavam depois que retornavam para casa, na volta do trabalho. Preparavam o jantar enquanto conversavam sobre os assuntos do trabalho. Gostavam de saber como havia sido o dia de cada um. Em seguida se aninhavam no sofá para assistir um filme. Nos finais de semana gostavam de passear e se divertir como todo casal jovem.
Cinco meses depois do casamento, Daniel se sentiu mal no trabalho e foi levado ao hospital. Assim que Louise soube, correu ao seu encontro. Passaram a noite aguardando o resultado dos exames. Estavam muitos ansiosos. No dia seguinte o médico deu a notícia que mudaria a vida dos dois. Daniel estava com um tumor agressivo no cérebro. O tratamento seria iniciado o mais rapidamente possível.
Louise pediu uma licença no trabalho para acompanhar seu marido durante o tratamento e sua sogra se ofereceu para ajudá-la. Daniel nem parecia mais aquele jovem apaixonado de meses atrás. Por mais força que a mãe e a esposa procuravam transmitir, deixavam transparecer o medo que estavam sentindo. O medo de perdê-lo.
Daniel começou a definhar a olhos vistos, não estava conseguindo reagir aos medicamentos. Poucas semanas depois, entrou em coma. Louise e a sogra ficaram desesperadas, mas infelizmente, não podiam fazer nada. Teriam que se conformar com a vontade de Deus. Três dias depois do coma, Daniel faleceu.  Os amigos, emocionados, compareceram ao velório para o último adeus. A família estava inconformada. A esposa ficou em estado de choque. Será que tudo aquilo não passava de um pesadelo? Como tudo pode desmoronar assim tão repentinamente?
Para Louise só ficaram as lembranças dos bons momentos que viveram juntos. Ela passava os dias revendo as fotos do casamento onde Daniel aparecia sempre sorrindo. O amor que os uniu foi lindo enquanto durou e seria eterno em seu coração.
Segundo os amigos, o tempo a curaria daquela dor que dilacerava seu coração e ela encontraria alguém que a faria feliz novamente. Afinal, era jovem e não poderia viver enclausurada.
Voltou ao trabalho e o único lazer que tinha era o almoço de domingo com os pais. Recebia alguns convites dos amigos para sair e recusava todos. Não estava pronta, ainda, para se divertir. A lembrança que tinha do seu amado estava bem viva na sua mente.
Quem sabe, depois de alguns anos, ela voltasse a sair e talvez até a procurar um namorado. 
Por enquanto ainda era cedo, pois, um grande amor o tempo não apaga assim tão depressa.

18 comentários:

  1. um grande amor nunca morre ,adorei a historia .

    ResponderExcluir
  2. Descreve bem as armadilhas que o destino prepara para qualquer um de nós. O sonho vira pesadelo, num piscar de olhos.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo a história!! É muito difícil de esquecer o amor tão lindo e verdadeiro. Realmente não foi fácil.

    Bjs!
    raquelamandamakeup.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Raquel! Verdade, não é fácil!!
      Beijos❤

      Excluir
  4. Que história linda! Amores verdadeiros são difíceis de apagar, né?! Lindo ♡
    Beijo
    www.omundodalilica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Que história linda. Um amor verdadeiro nunca morre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Jamais!! Ele permanece para sempre!
      Beijo ❤

      Excluir
  6. Amor verdadeiro é para sempre!! Amo suas histórias!!

    ResponderExcluir
  7. Nossa que profundo, tudo começou perfeito e infelizmente veio a fatalidade, mas ele estará sempre ao lado dela. Bjs
    http://www.makeupcominteligencia.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, um amor cheio de promessas que, infelizmente, não durou. Verdade!

      Beijo. ❤

      Excluir
  8. Que história linda. amor verdadeiro é para sempre mesmo <3

    ResponderExcluir
  9. Bom, a expectativa que todos nos temos de ter um felizes para sempre, acabamos por querer isto desde crianças, gostei embora fiquei um pouco triste por Daniel também queria que tivesse se salvado. Super beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, sonhamos com o felizes para sempre, como nos contos de fadas. Mas, infelizmente, a vida reserva surpresas.
      Obrigada, beijos!

      Excluir