terça-feira, 17 de novembro de 2015

Feliz recomeço!




Muitas mulheres têm uma vida sofrida e com Elenice não foi diferente. 
Moça simples, trabalhadeira e humilde, sempre ajudou a mãe nas tarefas da casa e a cuidar dos irmãos. Ainda encontrava tempo para ajudar o pai na roça. Cursou apenas o primário, porque, o pai achava que filha mulher não precisava estudar muito. Depois de casada, cuidaria do marido, da casa e dos filhos.
Suas amigas eram as suas irmãs. Quando completou dezoito anos foi apresentada ao filho de um conhecido do pai, que frequentava o mesmo bar que ele. Era o primeiro contato que tinha com um moço, além primos.
Esse rapaz era caminhoneiro e sempre que passava pela cidade, ficava uns dias na casa dos pais. Elenice era uma moça caseira e talvez por isso nunca tinha visto-o pelas redondezas. Sérgio era bonito e sedutor e ela, muito tímida e ingênua. Foi muito fácil seduzi-la. Logo, Elenice acabou morrendo de amores por ele.
Poucos meses depois já estavam casados. Casaram somente no civil e os pais da noiva, seu José e dona Tereza ofereceram um almoço aos padrinhos do casal e aos pais do Sérgio.
No primeiro ano de casados, eles moraram numa casa que havia nos fundos da casa dos pais dele, seu Pedro e dona Maria. Para Elenice foi bom, assim ela não se sentia sozinha, enquanto Sérgio estava viajando. Um ano depois, nasceu a primeira filha.
Quando a criança estava com três anos de idade, Sérgio comprou uma casa num outro bairro, porque, a casa onde moravam tornou-se pequena para a família. Elenice começou a frequentar a igreja que havia nas proximidades. Ela ia com a filha sempre que podia. 
Quando Sérgio estava em casa não a deixava ir. Queria atenção exclusiva para si. Começou a sentir ciúme do carinho que Elenice dedicava à filha. No começo, ela pensava que era porque ele ficava dias sem aparecer em casa. Então, para fazer os gostos dele e dedicar-lhe mais atenção, ela começou a deixar a filha na casa dos pais, quando Sérgio voltava das viagens.
E assim foram levando a vida até que, cinco anos depois, nasceu a segunda filha. A mais velha, quis morar com os avós, porque, se sentia excluída. Ela percebia que a mãe sentia-se dividida entre as filhas e o marido. Na verdade, ela recebia mais carinho do avô; o pai raramente dava-lhe atenção.
Para Elenice, a rotina era sempre a mesma. Ela cuidava da filha, da casa e ia à igreja, quando Sérgio não estava em casa. Procurava fazer tudo para não criar confusão.
Quando ele voltava, a sua vida se transformava. Ele era autoritário, egoísta e ciumento. Nada de igreja e nem de atenção demorada à filha. Ele nem sequer perguntava sobre a filha mais velha. Elenice fazia as suas vontades e não se queixava com os pais e nem com os sogros.
Ela começou a desconfiar que ele tinha outra mulher, desde o dia em que achou um batom no caminhão. Ele pediu para ela pegar a roupa suja que estava na cabine, pois, estava muito cansado naquele dia. Não se deu conta, de que, o batom da amante caíra da bolsa dela. Elenice conseguiu manter o controle e não comentou nada com ele. Mesmo porque, provavelmente ele inventaria uma desculpa. 
Continuou aguentando firme e o único lugar aonde ia, além da casa dos pais e dos sogros era à igreja. Mas, quando ele estava, era sempre um tormento. Numa das vezes, quando voltou para casa com a filha pequena, ele havia chegado bêbado e não deixou as duas entrarem. Elenice foi com a menina para a casa dos pais e contou uma mentira, teve vergonha de falar o que havia acontecido.
No final da tarde, Sérgio foi buscá-las e quando se aproximou da filha mais velha, ela virou a cara para ele. E assim, Elenice foi vivendo, sempre submissa e tolerante. Apesar de tudo, o marido nunca havia levantado a mão para bater nela.
Quando a filha mais nova completou seis anos, ela pediu a separação. No início, Sérgio ficou nervoso e disse que não aceitaria. Elenice, dessa vez foi firme, dizendo que sairia de casa de qualquer jeito. Estava cansada! Contou que sabia sobre a sua amante e que contaria aos pais e aos sogros.
Sérgio ficou admirado com a mudança da esposa, nem parecia mais a mesma pessoa. Sua Elenice jamais levantou a voz para ele. Fazia todas as suas vontades, até deixara de ir à igreja para não contrariá-lo.
O que ele não sabia era que ela havia se cansado daquela vida medíocre. Ela não tinha amigas, não saía de casa para nada, a não ser visitar os pais e a filha que deixara ao cuidado deles. Tinha duas irmãs mais velhas, mas quase não se viam. Para ele, a vida era boa, viajava sempre a trabalho e quando não estava com a amante, dava uma passada em casa e queria ser paparicado. Às vezes, saía com os amigos e passava a noite bebendo.
Elenice arrumou as coisas dela e da filha e foi para a casa dos pais. Tinha feito planos de alugar uma casa e levar a filha mais velha, que já era uma adolescente, para morar junto. Sérgio, sem saída, acabou concordando com a separação. Colocou a casa a venda e dividiu o dinheiro com ela. Foi morar com a amante.
Para Elenice começou uma nova vida. Ela comprou uma casa perto dos pais e se mudou com as duas filhas. Conseguiu um emprego numa casa de família e voltou a frequentar a igreja. Perdeu a mãe que amanheceu morta, numa certa manhã, e no tempo livre cuidava do seu pai.
Durante doze anos a sua vida não saiu dessa rotina. Ela estava tranquila e feliz. O dinheiro que ganhava era pouco, mas ela fazia alguns trabalhos extras para ajudar no orçamento. Vendia lingeries  e cosméticos.
Nesse meio tempo suas filhas casaram-se, formaram suas famílias e ela continuou cuidando do pai que já tinha uma certa idade. Era uma mulher batalhadora e o único lugar que ia aos domingos era à igreja. Raramente visitava as filhas, porque não tinha muito tempo.
Depois que o pai faleceu, ela conheceu um viúvo, amigo do seu patrão e começaram a se entender. Clodoaldo tinha dois filhos casados e morava no sítio, onde plantava palmito. Elenice pediu a conta na casa onde trabalhava há muitos anos e se casou com Clodoaldo. Vendeu a sua casa e foi morar com ele no sítio. Usou o dinheiro que tinha na poupança para se associar ao marido. Seria para ela um novo recomeço. Estava apostando na felicidade.
Juntos, ampliaram a casa do sítio e compraram mais um terreno para aumentar a plantação. Clodoaldo era um homem muito bom, diferente de Sérgio. Era carinhoso, cuidava bem dela e era atencioso com as enteadas. 
Aos domingos iam juntos à igreja. Ele tinha um jipe e após a missa saíam para passear na casa das filhas dela ou para conhecer novos lugares.
Elenice, enfim, conheceu o amor verdadeiro e sincero.

12 comentários:

  1. Que bom que no final Elenice foi feliz...tomara que seje assim com todas as mulheres...
    www.lindaeinteligente.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado da história. Obrigada, Linda!

      Excluir
  2. Nunca é tarde para ser feliz linda história adorei .

    ResponderExcluir
  3. É quase um documentário, na realidade. Pessoas que a escritora conheceu, imagino... Muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Oi!!
    Muito bom :D
    Essa história nos mostra que nunca podemos desistir.
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Por um instante pensei que essa estória, como tantas que vemos por aí, não terminaria bem. Que bom que no fim tudo deu certo.

    ResponderExcluir