quarta-feira, 11 de abril de 2018

Desalento



O que ela fez com a sua vida? Deixou-se levar pela vontade dos outros e perdeu o ânimo, a coragem. A lembrança da mulher determinada e vencedora tornou-se remota e em breve desaparecerá completamente da sua memória.

Presa na sua rotina sem graça ela passa pelos dias, semanas, meses a fio. Sente-se como um animal enjaulado. As pernas começam a atrofiar por falta de uma atividade física. Para levantar do sofá ela encontra dificuldades. Não tem a ver com a sua idade. Muitas mulheres idosas, colegas de outrora, ainda viajam, dançam, praticam atividades físicas.

Às vezes no meio do dia ela toma um banho para se refrescar e veste uma blusa de pijama. A vaidade foi embora há muito tempo. Abandonou-a. Dentro do seu guarda roupas, não tem nenhuma peça que a agrade. As roupas que estão ali não foram escolhidas por ela. Quando foi a última vez que comprou algo para si?

O calor é intenso e ela não encontra o ventilador. Devem ter levado dali. Ela pega uma revista para se abanar. Usa-a como se fosse um leque. Pelo menos havia uma revista por ali. Alguém a deixou no sofá. Ela folheou-a procurando uma notícia interessante. De repente se deu conta, ao olhar a data, que a revista era velha. Volta, então, a usá-la como leque. A revista é mais útil dessa maneira.

Seus cabelos desalinhados e embranquecidos rejeitam o pente. Ou será a sua mão que não tem mais firmeza para segurar o pente e pentear seus cabelos? Os fios estavam embaraçados. Ela para de tentar ajeitá-los para se abanar.

Batem na porta nessa tarde quente de verão. Ela ouve seu nome. Não se importa que está vestida com a blusa do pijama. Vai atender a porta. Coloca a revista debaixo do braço para liberar a mão. O pente continua na outra mão.

Ela recebe as amigas com um leve e cansado sorriso. Um misto de alegria e alívio. 

- Que bom que vieram me ver, eu estava pensando em vocês.

Uma das amigas vendo o pente em suas mãos, pega-o e penteia seus cabelos com facilidade. Enquanto isso conversam relembrando os bons momentos do passado. Querem alegrá-la, distraí-la um pouco.

Ela fica perdida ouvindo a conversa das duas, olhando para uma e outra sem entender nada.

- Vou me intrometer no assunto de vocês, mas sobre o que vocês estão falando mesmo?

As duas amigas tentam fazê-la participar da conversa. Em determinados momentos ela ri, parece entender sobre o que estão falando. Ela procura participar comentando sobre alguns fatos.

Em outros momentos ela fala coisas sem nexo. Parece que fala qualquer coisa apenas para participar da conversa.

Ao lhe perguntarem sobre sua saúde, ela diz que não tem doença nenhuma. Não toma nenhum medicamento. 

- Então, por que você não sai para passear, para caminhar um pouco, ver gente? - pergunta uma das amigas.

Ela responde que não tem vontade. Desde o dia que perdeu o direito de cuidar de si, perdeu também o estímulo, o desejo, a iniciativa.

Talvez ela nem consiga mais sair sozinha. As pernas estão perdendo as forças. A visão começa a ficar turva. A catarata está cobrindo seus olhos. Essas coisas são notadas e não faladas pelas visitantes.

Ela comenta que acredita que ninguém sente a sua falta. Ninguém a procura exceto as duas que estão sempre ali. Por onde andam àquelas que se diziam amigas? Provavelmente, entretidas com suas atividades diárias.

-E seus filhos? - Uma delas quis saber.

-Meus filhos têm seus afazeres, suas ocupações, não podem ficar o tempo todo comigo. Quando eles têm tempo aparecem por aqui.

Geralmente, quando ela está enjoada da televisão, olha pela janela para acompanhar o movimento da rua. Olhar o trânsito ajuda-a a passar o tempo. É um ótimo entretenimento. Às vezes ela conta os carros que passam, como se estivesse contando carneirinhos quando perdia o sono.

Outra coisa que ela faz é conversar com o cachorro, que sempre esquece o nome, para ouvir a própria voz. Com o cachorro como ouvinte ela fala coisas do passado. Repete a mesma história. O cachorro não reclama. É um bom ouvinte.

Quando as amigas chegam ela não tem assunto para conversar. Suas amigas conhecem de cor e salteado as suas histórias. Ela prefere ouvir as novidades do mundo lá fora. Novidades que entrarão por um ouvido e sairão por outro. Sua memória não retém mais como antigamente. 

Não reclama de nada. Foi ela quem se permitiu àquela vida. Agora não pode mais voltar atrás. Ou talvez, quem sabe, não tenha força para reagir. O isolamento tornou-se cômodo.

As amigas prometem levá-la para passear. Ela diz que vai aguardar pelo passeio. Se as pernas permitirem. 

Quem sabe sua alma, aparentemente morta para o mundo, reencontra a vontade de viver?

Suas amigas vão embora muito tristes por vê-la desanimada. Será que ainda há esperança para aquela pobre mulher? Ela precisa reagir. Lá fora existe vida. Ela tem que observar o vai e vem de pessoas que transitam pela cidade nas tardes ensolaradas.

Ela precisa se sentir, novamente, parte da comunidade onde mora. Ela deve mostrar aos filhos que tem vontade própria. Que ainda é capaz de escolher o que come e o que veste. Que é capaz te ter as suas próprias decisões. 

 Ela deixará a vida em preto e branco para se aventurar numa nova vida, uma vida repleta de cores?

Sua visita me deixa muito contente!

Obrigada,

Cidália.






56 comentários:

  1. Adoro ler histórias e quero sempre saber o desfecho! Parabéns Cidália!

    ResponderExcluir
  2. Cidália mas um belíssimo conto que você traz, é muito triste quando a pessoa perde o ânimo e a coragem, aguardando a continuação da história bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lucimar, pelo comentário!! Este texto é apenas uma reflexão, não vai ter continuação. Obrigada pelo apoio e carinho de sempre!!
      Abraços!

      Excluir
  3. É Muito triste quando chegamos a velhice sem ter ninguém pra nós dar pelo menos um pouco de carinho quem sabe se os filhos procurassem anima-la ela poderia sair dessa depressão! ! Adorei a história que poderia acontecer com qualquer pessoa parabens vc escreve maravilhosamente bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cleuza, quantos idosos passam por uma situação semelhante!! Obrigada pelo comentário e carinho de sempre!
      Abraços!

      Excluir
  4. Eu espero que ela vá se aventurar sim! É muito triste como vemos idosos em nossas próprias famílias que as vezes tem certas dificuldades e são deixados, infelizmente. Tomara que ela saia sim! Gostei demais do começo de Desalento e quero continuação, amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz sabendo que você gostou deste texto, Daiana, mas é apenas uma reflexão, não terá continuação. Pelo menos, por enquanto!! Obrigada pelo apoio e carinho!
      Abraços!

      Excluir
  5. Que triste perder o brilho, a vontade de viver, perder o ânimo. O que será que causou tudo isso nela né? Espero que tudo fique bem. A visita das amigas é muito importante tbm!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem fale, Vany! Ela perdeu o direito de administrar a sua vida e a depressão se apossou dela. Obrigada pelo comentário!!
      Abraços!

      Excluir
  6. Adoro ler estas historias fico louca pra saber oque vem depois rsrs adorei amiga continue

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Melaine, pelo apoio e carinho!!
      Abraços!

      Excluir
  7. Essa é uma realidade que infelizmente acontece com muitos idosos, solidão, depressão, falta de ânimo para viver. Espero que nossa protagonista consiga superar essa fase e se abra para novas possibilidades de felicidade☺

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Patrícia, enquanto alguns fazem de tudo para curtir a velhice, outros se entregam à solidão. Obrigada pelo comentário e carinho de sempre!!
      Abraços!

      Excluir
  8. Fiquei curiosa em saber como continua esse conto.
    big beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lulu, esta história é somente uma reflexão, pelo menos por enquanto, não terá continuação.
      Obrigada, big beijos!

      Excluir
  9. Triste realidade de muitas pessoas, quando chegam a certa idade! bela reflexão

    ResponderExcluir
  10. Muita bacana a história aguardando as próximas aventuras.

    ResponderExcluir
  11. Que texto lindo e triste ao mesmo tempo. Hoje muitos idosos se encontram nessa situação de desânimo e depressão. Espero que essa senhorinha consiga encontrar um bom motivo para ser feliz. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Beatriz, infelizmente!! Obrigada pelo comentário carinhoso!
      Abraços!

      Excluir
  12. Emocionante bem como alarmante. O que estamos fazendo pelos nossos idosos? Estão tendo uma vida digna? São gratificados por todos os esforços que tiveram conosco? Precisamos lhes mostrar que a vida continua, que ainda há muito o que viver e que o avanço da idade nada mais é do que acúmulo de sabedoria!
    Abraços 😊

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo seu comentário, Amilton, amei seus questionamentos, a sua opinião!! Obrigada, abraço!

      Excluir
  13. Olá , tudo bem ? que texto tocante , sabe que tenho medo da velhice mais desde já penso em alternativas como viajar , participar de grupos de terceira idade. Acho que devemos ser donos de nossas vidas e fazer nossas vontade enquanto tivermos lucidez . Espero que essa senhora não se entregue aos desejos dos outro e tome rédea de sua própria vida .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Márcia, tudo bem!! Eu também penso como você, gosto de viajar. Participar desses grupos é uma ótima opção!! Sim, sem dúvida!!! Obrigada pelo comentário e carinho!
      Abraços!

      Excluir
  14. Oi
    Que lindo conto,tai um belo texto,gosto muito de histórias,continue assim,quero ver mais tá bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Alzinete, que bom!! Obrigada pelo comentário!
      Abraços!

      Excluir
  15. Oie
    Li mais um conto maravilhoso seu, é a pura realidade, conheço mulheres que passam por isso de depois que chega na velhiçe perde o interesse de viver a propria vida, sair, se arrumar. Parabéns pelo posta, beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ade, muito obrigada pelo carinho e apoio!! Fico feliz sabendo que você gostou do texto!
      Abraços!

      Excluir
  16. Oi. Gosto muito de ler seus contos, também escrevo e acho conto uma modalidade gostosa tanto para o escritor, quanto para o leitor. Nos seus contos encontro um drama que deixa sempre a história viva. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, colega, que boa notícia!! Minha irmã disse que sou boa para escrever drama, rsrsrs. Muito obrigada pelo carinho, tenho acompanhado seu trabalho e gosto da sua escrita!
      Abraços!

      Excluir
  17. Muito bom o tema do seu conto.
    Realmente é muito ruim a pessoa deixar de fazer suas vontades para satisfazer as vontades dos outros. Tem muitas mulheres por aí que não conseguem viver livremente e que precisam de motivação e muito ânimo para seguir em frente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Inês, pelo comentário! Gostei muito da sua opinião, concordo com você!!
      Abraços!

      Excluir
  18. Muito boa reflexão do seu texto. Conheço mulheres que infelizmente passam por isso.
    besitos

    ResponderExcluir
  19. Uma história que se repete bastante na vida real, e na vida de muitas mulheres.

    ResponderExcluir
  20. Que historia triste Cidália, é uma pena ver uma pessoa sem esperança ou expectativa de uma vida melhor.
    Desencantada com tudo e sem animo para viver, totalmente depressiva e solitária.
    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Marisa, é muito triste!! Obrigada pelo comentário!
      Abraços!

      Excluir
  21. Ai meu coração mulher! Adorei a sua história e torço para que a vontade de viver retorne, apesar dos pesares.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Mari, pelo comentário!! Que bom que você gostou!
      Abraços!

      Excluir
  22. As tendências mudaram ligeiramente no final dos 30 anos: os homens começam a perder amigos em um ritmo mais rápido. Os homens com idades entre 40 e 44 anos são o grupo demográfico com a taxa mais alta de suicídio, quase quatro vezes o das mulheres da mesma idade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que coisa mais triste, não é mesmo, Leny? Obrigada pelo comentário!
      Abraços!

      Excluir
  23. Mais um conto interessante Cidália e quando me dei fė já estava lá no final do conto.É um pouco triste porém Real pois isto acontece exatamente da forma descrita.
    www.robsondemorais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário, Robson!! Que bom que você gostou do conto!

      Abraço!

      Excluir
  24. Confesso que me identifiquei bastante com essa mulher. Ando mais reclusa, mais introspectiva ultimamente e às vezes é difícil sair desse estado de espírito e, como você escreveu, buscar uma vida repleta de cores. Mas a gente vai tentando, isso que importa né? Adorei o conto, você escreve muito bem!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Laura, o mais importante é tentar sempre; não deixar que a tristeza a domine!!
      Obrigada pelo desabafo! Abraços!!

      Excluir
  25. O triste é que existem muitas pessoas como a mulher dessa história. Pessoas que tem medo de viver e apenas sobrevivem. Me encantei com o texto e estou curioso para saber o desfecho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma triste verdade, infelizmente!! Que bom que você gostou do texto! Obrigada pelo comentário!!
      Abraço!

      Excluir
  26. Olá Cidália adoro teus contos! Sempre digo para as pessoas que filhos não são garantia de companhia para a velhice. É muito triste mas isto acontece com muitos idosos... A velhice chega, a energia e a saúde vão diminuindo mas mesmo assim temos que tirar o melhor dela! Parabéns pelo conto tão cativante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz Jaque, sabendo que você gosta dos meus contos!! É a mais pura verdade, afinal os filhos têm a sua vida! Muito obrigada pelo comentário!!
      Abraços!!

      Excluir
  27. Oi, Cidália. Parabéns pelo texto.
    Me emocionou mais uma vez com essa história.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Johany, muito obrigada!!
      Que boa notícia!
      Abraço!

      Excluir
  28. Olá, Cidália. Vi que esse texto faz parte também da seleção dos vários contos que você publicou na postagem mais recente. E gostei muito dele também. É um texto bem imagético, cheio de imagens lindas. Parabéns.

    - Bjux,
    Diego || Blog Vida & Letras ♥ @vidaeletras
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Diego! Sim, resolvi juntar alguns textos que abordam o mesmo tema. Que bom que você gostou!!
      Obrigada pelo comentário! Abraço!!

      Excluir